Discurso de Dener Giovanini na ONU

Excelentíssimo Secretário Geral da ONU, Senhor Kofi Annan, Excelentíssimo Diretor Executivo da UNEP, Senhor Klaus Toepfer, Senhoras e senhores, boa noite. Receber o Prêmio UNEP Sasakawa é mais que uma honra. Essa distinção marca para sempre a his

  
  

Excelentíssimo
Secretário Geral da ONU, Senhor Kofi Annan,

Excelentíssimo Diretor Executivo da UNEP,
Senhor Klaus Toepfer,

Senhoras e senhores, boa noite.

Receber o Prêmio UNEP Sasakawa é mais que uma honra. Essa distinção marca para sempre a história de quem o possui.E com certeza , representará um grande impulso no trabalho que estamos desenvolvendo no
Brasil.

Este prêmio veio num momento muito especial, pois, entre os muitos desafios que o Brasil enfrenta, o mais importante está em encontrar o verdadeiro e justo equilíbrio entre o desenvolvimento e a preservação do meio ambiente.

Momento este em que estamos testemunhando em nosso país um forte retrocesso nas suas políticas ambientais. Infelizmente, percebemos que a causa ambiental não se encontra entre as prioridades daqueles que hoje governam o Brasil, país que possui uma das maiores biodiversidades do mundo.

E renegar prioridade à proteção do meio ambiente é admitir que ainda não se compreende o ciclo da vida. Grande parte dos problemas sociais, da miséria, da fome e das moléstias que assolam o Brasil e as demais nações tem origem, meio ou fim na intervenção equivocada que o homem promove na natureza.

Além da falta de apoio dos órgãos oficiais, no Brasil ainda existem fortes resistências, e às vezes até reações agressivas, contra aqueles que se dedicam a defender os recursos naturais.

Fazer a opção de se colocar na frente dos que visam apenas o lucro fácil oriundo da destruição ambiental muitas vezes pode ser uma escolha entre a vida e a morte.

Mas mesmo diante dessa triste realidade, muitos cidadãos fizeram essa opção, e não poderia deixar de lembrar neste momento um outro brasileiro que há 13 anos atrás também foi honrado com este prêmio: Chico Mendes.

Ele e tantos outros ambientalistas do meu país lutaram e continuam lutando para que o nosso mundo possa legar às futuras gerações uma vida mais digna e saudável.

A RENCTAS, rede brasileira de combate ao tráfico de animais silvestres,uma ONG que ajudei a fundar e que atualmente coordeno, tem como missão principal impedir que o comércio ilegal de animais silvestres continue a colocar em risco de extinção as nossas espécies nativas.

Essa atividade ilegal que enfrentamos movimenta cerca de U$ 2 bilhões de dólares por ano somente no Brasil. Em nosso país ela muitas vezes se associa ao tráfico de drogas e ao comércio ilegal de armas.

Às vezes se confundem tanto, que não raro araras, fuzis e cocaína fazem parte de uma mesma apreensão.

As dificuldades que enfrentamos são inúmeras, nos faltam recursos e apoio. Além dos traficantes de animais, enfrentamos em nosso cotidiano a árdua tarefa de sobreviver e de levar adiante o nosso trabalho.

Aproveito essa oportunidade para pedir a ajuda de todos que se importam com o futuro do nosso planeta. Precisamos muito de recursos e de parcerias.

Também gostaria de alertar aos governantes do mundo que o tráfico de animais silvestres extrapola, e muito, a visão estreita da simples defesa dos animais.

Neste momento conturbado nas relações internacionais, gostaria de ressaltar as sérias conseqüências que essa atividade criminosa pode trazer para todas as nações que buscam a paz: os animais são um reservatório natural de vírus e agentes ainda desconhecidos da medicina.

Toda vez que um animal é retirado ilegalmente da natureza pode-se estar levando junto uma bomba biológica, que além das graves conseqüências de saúde pública, podem comprometer a economia de uma nação em caso de
contaminação da sua produção agropecuária.

Dividir esse prêmio com o senhor Xie Zhenhua é um motivo de orgulho muito grande para mim. Seu trabalho desenvolvido na República Popular da China é um grande exemplo para todas as nações do mundo. Além de
parabenizá-lo, quero externar minha alegria de estar ao seu lado nesta noite.

Quero neste momento fazer uma homenagem muito especial a todas as pessoas que acreditaram em mim e se dispuseram a partilhar comigo o meu ideal e a minha luta.

Meus sinceros e profundos agradecimentos a toda a equipe da RENCTAS no Brasil. E um agradecimento muito especial a um grande incentivador do nosso trabalho, e que hoje está aqui conosco para dividir essa alegria,
o ex - ministro do meio ambiente do Brasil, José Sarney Filho.

Meu obrigado também a Schawb Foundation, a imprensa brasileira, que sempre foi uma grande aliada nesta causa, e a toda equipe do PNUMA. E nenhum agradecimento estaria completo se eu não mencionasse um homem que se dedica a plantar sonhos em todo o mundo, senhor Bill Drayton e sua grande obra que é a Ashoka Empreendedores sociais.

Quero agradecer a ONU através do seu Secretário Geral Kofi Annam, pelo seu incansável esforço em prol da humanidade. Tenho certeza de que o futuro desse planeta terá o seu nome no hall de agradecimentos.

Ao senhor Klaus Toepfer quero deixar minha gratidão pelas enormes conquistas que o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente tem alcançado, particularmente nos países em desenvolvimento, que tem na UNEP não só um parceiro, mas principalmente uma bússola que orienta suas decisões ambientais.

Por fim gostaria de dizer que minha determinação é o resultado da força de duas pessoas que sempre estiveram ao meu lado: minha mãe e meu irmão Raulff Lima.

A todos vocês, muito obrigado por partilhar comigo esse momento. Tenham certeza de que esse prêmio será honrado por mim. Mais do que nunca me esforçarei para dignifica-lo e transforma-lo num signo de amor à vida.

Este prêmio será um eterno compromisso que terei com a biodiversidade. E ele será o reconhecimento de que não estamos sozinhos. Os traficantes da vida selvagem irão sentir os seu peso e saberão que o mundo está de olho
neles.

Muito obrigado.

Fonte: RENCTAS

  
  

Publicado por em