Documentário português vence o IX - Festival Internacional de Cinema Ambiental

Para o coordenador da edição 2007 do FICA, o cineasta João Batista de Andrade, o festival cumpriu o seu papel de combinar duas realidades: a arte cinematográfica e a questão ambiental. Idealizador do evento em 1999, o

  
  

Para o coordenador da edição 2007 do FICA, o cineasta João Batista de Andrade, o festival cumpriu o seu papel de combinar duas realidades: a arte cinematográfica e a questão ambiental.

Idealizador do evento em 1999, o cineasta voltou a comandar o certame este ano, e se disse feliz por concretizar o desejo de incluir na programação uma série de discussões sobre a questão ambiental, com a realização do fórum “O Clima, a Amazônia e o Cerrado”.

“Quis fazer isso desde o surgimento do FICA e este ano conseguimos com o dedicado empenho do jornalista Washington Novaes”, disse.

João Batista de Andrade destacou ainda que o FICA é, antes de tudo, um festival de cinema ambiental, e o que está em evidência é o cinema de qualidade feito no Brasil e no mundo.

“Foi unanimidade entre os formadores de opinião a qualidade da programação em geral, com os filmes nacionais e internacionais da mostra competitiva; com o cinema local, representado pela mostra da seção Goiás da ABD (Associação Brasileira de Documentaristas); com os filmes nacionais da mostra do cinema brasileiro; todos com salas lotadas, além de oficinas sobre o saber cinematográfico”.

Lista de prêmios.

1. Grande prêmio CORA CORALINA para o maior destaque entre as obras apresentadas, sendo um troféu e R$ 50.000,00 (cinqüenta mil reais); Ainda há Pastores", de Jorge Pelicano, documentário, Portugal, 2006.

2. Troféu CARMO BERNARDES e mais R$ 35.000,00 (trinta e cinco mil reais) para o melhor longa-metragem; Khadak, de Peter Brosens de Jéssica Woodworth, ficção, alemanha/Bélgica, 2006 e Pirinop, Meu Primeiro Contato, de Mari Corrêa e Kanaré Ikpeng, documentário, Pernambuco-Brasil, 2007.

3. Troféu JESCO VON PUTKAMER e mais R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais) para o melhor média-metragem; Losing Tomorrow, de Patrick Rouxel, documentário, França, 2005.

4. Troféu ACARI PASSOS e mais R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais) para o melhor curta-metragem; Memória Sem Visão, de Marco Valle, documentário, Brasil, 2005.

5. Troféu JOSÉ PETRILLO para melhor produção goiana e R$ 40.000,00 (quarenta mil reais); Além dos Outdoors, de Caio Henrique Salgado e Paulo Henrique dos Santos, documentário, Brasil – GO, 2007

6. Troféu JOÃO BÊNNIO para melhor produção goiana e R$ 40.000,00 (quarenta mil reais); Rapsódia do Absurdo, de Claudia Nunes, documentário, Brasil- Goiás, 2006.

7. Prêmio BERNARDO ÉLIS e mais R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais) para a melhor série ambiental para TV. Tarú Ande, Marco Altberg.

8. Troféu IMPRENSA : Khadak, de Peter Brosens e Jéssica Woodworth, Alemanha/Bélgica

Fonte: F&M Procultura

Del Valle Editoria

Contato: vininha@vininha.com

Site: www.animalivre.com.br

  
  

Publicado por em