Em Sorocaba, Greenpeace lançou o Programa `Cidades Amigas da Amazônia`

O Greenpeace lançou ontem seu programa `Cidades Amigas da Amazônia`. O objetivo da campanha é que prefeituras implementem políticas de consumo consciente e incentivem o mercado de madeira de manejo sustentável, adotando critérios para a compra de produtos

  
  

O Greenpeace lançou ontem seu programa `Cidades Amigas da Amazônia`. O objetivo da campanha é que prefeituras implementem políticas de consumo consciente e incentivem o mercado de madeira de manejo sustentável, adotando critérios para a compra de produtos madeireiros provenientes da Amazônia.

A primeira cidade envolvida no projeto é Sorocaba, no interior paulista. Com cerca de 500 mil habitantes, Sorocaba consome madeira amazônica em obras públicas e mobiliário para os órgãos municipais, além de ser um centro distribuidor de produtos madeireiros para vários municípios vizinhos.

Na manhã de ontem, representantes do Greenpeace reuniram-se com o secretário da prefeitura de Sorocaba, Sr. Carlos Maria, para apresentar a campanha. A reação inicial da prefeitura foi positiva e o conteúdo e formato da proposta devem ser aprofundados em novos encontros.

Para tornar-se uma `Cidade Amiga da Amazônia`, a administração deve formular leis municipais que exijam quatro critérios básicos em qualquer compra ou contratação de serviço que utilize madeira produzida na Amazônia:

-proibir o consumo de mogno;

-exigir, como parte dos processos de licitação, provas da cadeia de custódia que identifiquem a origem da madeira;

-dar preferência à madeira proveniente de planos de manejo sustentável, inclusive madeira certificada pelo Conselho de Manejo Florestal (FSC);

-e orientar construtores e empreiteiros a substituir madeiras descartáveis utilizadas em tapumes, fôrmas de concreto e andaimes por alternativas reutilizáveis como ferro ou chapas de madeira resinada.

`A idéia é que as prefeituras tornem-se exemplos de consumidores conscientes para o restante da sociedade, utilizando seu poder de compra como política ambiental`, disse Gustavo Vieira,coordenador do programa do Greenpeace.

`Também é uma maneira de combater a exploração ilegal e predatória de madeira amazônica, que hoje é a regra do mercado, e não a exceção.Cada `Cidade Amiga da Amazônia` será um recado claro aos madeireiros: existe mercado consumidor para a madeira produzida de forma sustentável`.

Em princípio, o programa estará concentrado nos municípios do Estado de São Paulo, já que os paulistas respondem por cerca de 20% do consumo de toda a madeira produzida na Amazônia, mas deve se expandir para outros estados em um futuro próximo.

Esta iniciativa é parte da campanha do Greenpeace em defesa da Amazônia que, nos últimos anos, vem denunciando a exploração ilegal de madeira e trabalhando por um novo modelo de desenvolvimento para a região.

Fonte: AssCom Greenpeace

  
  

Publicado por em