Embrapa desenvolve algodão marrom avermelhado

Produtores de algodão da região do semi-árido poderão cultivar, na safra atual, sementes de algodão colorido de tonalidade marrom avermelhada. As variedades não são transgênicas e foram desenvolvidas pelos pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa A

  
  

Produtores de algodão da região do semi-árido poderão cultivar, na safra atual, sementes de algodão colorido de tonalidade marrom avermelhada. As variedades não são transgênicas e foram desenvolvidas pelos pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) da unidade de Campina Grande, na Paraíba.

O plantio na Paraíba ocorre entre os meses de fevereiro e abril, mas em outros estados da região o cultivo pode ser feito até em dezembro.

`As variedades cor de telha foram originadas do cruzamento entre cultivares de fibra branca de boa qualidade adaptadas à região Nordeste e materiais introduzidos de cor marrom escura`, explicou o chefe de Pesquisa & Desenvolvimento da unidade, Luiz Paulo de Carvalho.

De acordo com o pesquisador, as plumas coloridas (tecnicamente chamadas de algodão silvestre) são comuns na natureza. No entanto, elas não têm a resistência exigida pelas indústrias de fiação, por isso a necessidade de adaptação genética.

A Embrapa já oferece aos produtores outras duas variedades de algodão colorido: BRS 200 Marrom e BRS Verde,lançadas, respectivamente, em 2000 e 2003. As variedades BRS Safira e BRS Rubi foram acrescidas a esse grupo.

Além de adaptadas às fiações modernas, as cultivares de algodão colorido reduzem os custos de produção para a indústria têxtil e o descarte de agentes químicos e tóxicos, por dispensarem o uso de corantes.

O algodão `naturalmente colorido` é indicado para pessoas alérgicas a tecidos coloridos artificialmente. De acordo com o pesquisador, Japão e Europa demandam esse tipo de pluma.

`Nesses países, a demanda é crescente por produtos naturais`, comentou.

Na Paraíba, o plantio comercial dessas variedades de algodão começou em 2000. Na safra passada, 2003/04, a área plantada foi de 9 mil hectares.

NÃO DESBOTAM

Outra característica é que as variedades não desbotam. `Elas têm excelente solidez ao cloro e à luz, característica muito valorizada pela indústria têxtil`, comentou Carvalho.

As cultivares foram lançadas no dia 9 de março em Campina Grande. Não é possível dizer se as variedade se adaptariam em outras regiões do País.

Fonte:Agência Estado

  
  

Publicado por em