Embrapa e Ceplac vão recuperar áera de reserva

Um projeto de colaboração entre Embrapa, e a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) poderá viabilizar a recuperação de áreas de reserva através da reposição com espécies florestais consorciadas com espécies comerciais, beneficiando agri

  
  

Um projeto de colaboração entre Embrapa, e a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) poderá viabilizar a recuperação de áreas de reserva através da reposição com espécies florestais consorciadas com espécies comerciais, beneficiando agricultores familiares da Amazônia.

A solicitação, anunciada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) à diretoria da Ceplac, prevê também a exploração comercial e sustentável de sistemas agroflorestais, com perspectivas de viabilidade econômica para pequenos produtores. Outra ação prevista é a recuperação de cacauais decadentes com espécies frutíferas e o enriquecimento de capoeiras através da introdução dos sistemas agroflorestais.

O desenvolvimento do projeto partiu do potencial econômico oferecido pelos sistemas agroflorestais, em sintonia com a sustentabilidade proporcionada pela prática.

`A principal preocupação é o retorno econômico para o produtor aliado à manutenção da biodiversidade`, explica o superintendente da Ceplac na Amazônia Ocidental (Porto Velho-RO), Francisco das Chagas Sobrinho.

Para o desenvolvimento do estudo, de acordo com ele, a viabilização de parcerias com a Embrapa é essencial, já que a instituição de pesquisa oferece resultados de pesquisa que devem ser aproveitados, como a utilização de materiais resistentes a pragas e doenças e técnicas para a melhoria da qualidade das espécies utilizadas em sistemas agroflorestais.

O acordo entre as duas instituições no desenvolvimento do projeto foi firmado durante a 1ª Feira Estadual da Produção da Agricultura Familiar, realizada entre os dias 25 e 28 de agosto em Ji-Paraná, a 350 quilômetros da capital de Rondônia, Porto Velho.

O diretor-executivo da Embrapa, Herbert Cavalcante de Lima, e o superintendente regional da Ceplac, Francisco das Chagas Sobrinho, visitaram uma área de reserva pertencente à Ceplac denominada Morro Chico Mendes, com 850 hectares de mata nativa, reunindo espécies como o cedro, ipê roxo, mogno, teca, bandarra e sistemas agroflorestais, compostos por fruteiras da Amazônia, café, cacau e culturas anuais, como milho, arroz e feijão.

O deputado federal Anselmo de Jesus (PT-RO), assessores da Embrapa e pesquisadores e técnicos da Ceplac acompanharam os trabalhos. O deputado será um dos articuladores para o desenvolvimento do projeto.

MEIO AMBIENTE :

Pesquisas desenvolvidas com sistemas agroflorestais na Amazônia foram executadas pela Ceplac até 2002, com recursos do Projeto de Apoio ao Desenvolvimento de Tecnologias Agropecuárias para o Brasil (Prodetab).

A Embrapa Rondônia (Porto Velho-RO) mantém estudo de viabilidade estratégica para a reposição de reservas através de projetos conjuntos entre a Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (Fiero) e a superintendência regional da Ceplac no Estado.

De acordo com o diretor-executivo da Embrapa, Herbert Cavalcante de Lima, supervisor das Unidades da Empresa instaladas no Norte do país, os projetos desenvolvidos deverão compor as ações para a recuperação das áreas de reserva.

`A cooperação técnica entre pesquisadores da Embrapa Rondônia e Ceplac será essencial para a indicação de variedades produtivas e de viabilidade econômica aos produtores da Amazônia`, explica Cavalcante.

Segundo ele, tecnologias desenvolvidas pela Embrapa que ofereçam condições sustentáveis para a exploração da floresta, através da combinação entre espécies arbóreas perenes com cultivos agrícolas anuais, devem ser utilizadas no desenvolvimento do projeto solicitado pelo Mapa.

Os resultados compõem a agenda `A Embrapa no Norte do Brasil` e envolve a elaboração de estudos em rede por pesquisadores da Embrapa Acre, Embrapa Amazônia Ocidental (Manaus, AM), Embrapa Amazônia Oriental (Belém, PA), Embrapa Amapá, Embrapa Rondônia e Embrapa Roraima.

Algumas das linhas de pesquisa que compõem a agenda -florestas, com ênfase em projetos para o aproveitamento de produtos florestais, madeireiros e não madeireiros, alternativas de prevenção do uso do fogo, com enriquecimento de capoeiras e alternativas à derrubada e queima e fruticultura, priorizando a cultura de fruteiras nativas da Amazônia , são estratégias em potencial para o projeto conjunto entre Ceplac e Embrapa.

`A Unidade de Rondônia possui trabalhos desenvolvidos desde 1975 sobre sistemas agroflorestais compostos pelas espécies banana, pimenta-do-reino, cupuaçu, castanha-do-brasil, freijó e pupunha, de grande importância na economia regional`, explica o gerente geral Newton de Lucena Costa.

Trabalhos sobre arborização em lavouras de café, tendência adotada por um número cada vez maior de produtores em decorrência do declínio de produtividade de cafezais antigos no Estado, também compõem o acervo de tecnologias.

DIAGNÓSTICO E HISTÓRIA :

A pesquisa tornou disponível certas práticas e sistemas de produção mais sustentáveis, dentre os quais, os Sistemas Agroflorestais (SAF``s). Os SAF´s são bastante difundidos e utilizados na América Tropical, e em especial nos países amazônicos, onde essa técnica tem sua origem na cultura indígena.

Como sistemas alternativos de produção, os SAF´s são consagrados por suas vantagens biofísicas, ambientais e sócio-econômicas, entretanto, estudos mais detalhados acerca dos aspectos produtivos associados ao retorno econômico têm se mostrado cada vez mais necessários para comprovar a viabilidade desses sistemas e garantir sua adoção junto a agricultores e produtores locais.

Segundo a pesquisadora da Embrapa Rondônia Michelliny Bentes Gama, povos indígenas já praticavam a tecnologia, que foi sendo aperfeiçoada pelos caboclos da região amazônica, associando espécies que geravam principalmente alimentos, e que paralelamente tinham importância econômica, tais como os cultivos agrícolas tradicionais (arroz, feijão, mandioca), juntamente com espécies perenes como o cupuaçu, a castanha-do-brasil, a pupunha, entre outras.

Caracterizado pela associação entre espécies perenes e de ciclo curto ou médio, os SAF``s, segundo a pesquisadora, podem resultar em importantes impactos na economia regional, se bem conduzidos e manejados.

`Aspectos como a segurança alimentar e a conservação da biodiversidade são propiciados pelos sistemas agroflorestais. Pelos aspectos ecológico, econômico e social refletem em geração de renda, trabalho e qualidade de vida ao produtor`, expõe.

Fonte: Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento

  
  

Publicado por em