Empresa brasileira e Universidade de Tóquio desenvolverão remédio à base de ipê-roxo

Pequeno laboratório do interior de São Paulo firma convênio com japoneses para pesquisa do ipê-roxo como coadjuvante no tratamento do câncer.A Roberg Alimentos e Medicamentos da Natureza é um pequeno laboratório instalado em Votorantim, interior de São Pa

  
  

Pequeno laboratório do interior de São Paulo firma convênio com japoneses para pesquisa do ipê-roxo como coadjuvante no tratamento do câncer.A Roberg Alimentos e Medicamentos da Natureza é um pequeno laboratório instalado em Votorantim, interior de São Paulo, há mais de 20 anos.

Especializado em produtos naturais, acaba de firmar parceria com a empresa Tradepia Corporation e com a Universidade de Teikyo, em Tóquio, no Japão, para o desenvolvimento de um produto à base de ipê roxo para amenizar os efeitos da quimioterapia no tratamento do câncer.

O trabalho entre a Universidade de Teikyo, a Tradepia e a Roberg é coordenado pelo Prof. Dr e PHD Shigeru Abe, que iniciou as pesquisas há três anos e já está na fase dos testes clínicos. O produto, um extrato obtido do ipê roxo e colocado em pequenas cápsulas, tem sido dado a pacientes com vários tipos de câncer e em diferentes estágios da doença.

A Universidade está procurando comprovar que em alguns casos o uso do extrato elimina a necessidade de tratamentos como a quimioterapia, e em outros casos atua como complemento, diminuindo os efeitos colaterais como náuseas e queda de cabelos. Estão sendo testados diversos tipos de extratos com variações de resultados, e tudo vem sendo conduzido com o maior rigor científico.

-Na parte que nos cabe estamos trabalhando com a maior dedicação e o maior empenho - explica a dra Luciana Morimoto, farmacêutica responsável pela produção do laboratório. - Temos instalações muito bem organizadas e pessoal motivado e utilizamos a tecnologia mais moderna disponível.

O resultado dos testes com animais foi tão satisfatório que abreviou a implementação dos testes em humanos. Diversos cientistas, biólogos, farmacêuticos e médicos estão dedicando seu tempo a esta pesquisa.

O trabalho deverá estar concluído no final de 2007 quando o produto será registrado como medicamento. Mas no Japão a venda do produto será iniciada em março de 2004 como “Alimento Para a Saúde”, e servirá para completar os testes, com a pesquisa de uma grande rede de médicos.

A melhor erva medicinal do Brasil

“Com certeza o ipê roxo é uma das ervas medicinais mais importantes do Brasil”, afirma a drª Janete Yoshie Yasuda, farmacêutica responsável da empresa “esta planta ainda vai ficar muito conhecida no mundo todo”.

O ipê roxo, conhecida cientificamente como Tabebuia avellanedae Lor.ex Griseb, da família das bignoniáceas, é uma arvore das regiões de cerrado presente também na Mata Atlântica. Muito rica em Lapachol e outras substâncias antioxidantes, tem o poder de “atrasar” a oxidação envelhecimento das células, além de ativá-las.

O Lapachol e outras substâncias presentes no ipê roxo tem poderosa ação antifúngica e ativadora de certas reações orgânicas que estimulam anticorpos, principalmente de células que combatem tumores e impedem que eles se alimentem.

Muito popular nos anos 60, quando foi tida como verdadeira panacéia, acreditava-se que curava tudo, foi objeto de verdadeira destruição da natureza, pois a população rural derrubava bosques inteiros da árvore
para vender os pedaços.

A ciência comprova agora que muito do que acreditavam os índios era certo, mas não existe a necessidade de derrubar as árvores, basta colher as cascas, que pouco depois se recompõem, permitindo colheitas por décadas em cada árvore.

Lutando contra a Pirataria

Enquanto o governo brasileiro permite a pirataria de nossos recursos naturais e dificulta o acesso deste tipo de tratamento natural barato à população, o Japão, os EUA, a Inglaterra e a maioria dos países de primeiro mundo vende livremente este produto de nossas florestas como suplemento para a saúde.

No Brasil, a venda de ipê roxo é proibida para a população, pois a regulamentação que rege o setor de fitoterápicos só permite a venda de ervas importadas, com exceção do Guaraná, da Espinheira Santa e da Pfáfia.

Robert Alimentos e Medicamentos da Natureza

A empresa é especializada em produtos naturais e ervas medicinais e exporta para mais de 20 países, como Alemanha, Hungria, Romênia, Portugal, Taiwan,. China, Coréia do Sul, Estados Unidos e Japão.

O laboratório assinou contrato com a Fundunesp, Fundação de Pesquisas da UNESP, que, além dos cientistas em seus quadros, tem contato com inúmeras Instituições de pesquisas internacionais.

O Laboratório Roberg tem 27 anos de existência e apenas 62 funcionários, sendo mais da metade com nível superior e pós-graduação, e aplica com rigor investimentos em tecnologia e melhoria da produção, além de investir pesado em pesquisas.

Fonte: Eunice Dornelles .

  
  

Publicado por em

Mauricio do Amaral Martins

Mauricio do Amaral Martins

06/02/2009 18:27:18
tenho colite ulcerativa, toda vez que vem a crise me trato com chá de ipe roxo.
nunca mais tomei cortizona.