ONU oficializa Ano Internacional da Biodiversidade

Em evento a ser realizado em Paris, na sede da Unesco, a Organização das Nações Unidas lança oficialmente o Ano Internacional da Biodiversidade.

  
  

A Organização das Nações Unidas (ONU) fará o lançamento oficial do Ano Internacional da Biodiversidade no dia 22 de janeiro, sexta-feira, em evento organizado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em sua sede em Paris.

O objetivo da iniciativa é divulgar a relevância do assunto e chamar a atenção da sociedade mundial para as taxas alarmantes de perda de biodiversidade. Estudos da União Internacional para Conservação da Natureza (UICN) apontam que 17.000 espécies de plantas e animais estão ameaçadas de extinção.

Além disso, especialistas estimam que 60% dos ecossistemas do planeta não são mais capazes de prover os serviços ecológicos dos quais o homem depende, tais como produção de alimentos, água potável e controle do clima.

Durante a décima Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP-10/CDB), que acontecerá em outubro, na cidade japonesa de Nagoia, os países signatários devem definir novas metas, espera-se que ambiciosas, para a redução da perda de biodiversidade nos próximos anos.

Participação brasileira

O Brasil, que é o primeiro país do mundo em biodiversidade, tem o compromisso de proteger em unidades de conservação (UCs) 30% da Amazônia e 10% de cada um dos outros biomas – Mata Atlântica, Cerrado, Pantanal, Caatinga e Pampas. Para a Mata Atlântica, o compromisso é de não desmatar mais nenhuma área remanescente.

Os participantes da COP-10 também devem se dedicar à avaliação do Programa de Trabalho sobre Áreas Protegidas da CDB. “O WWF-Brasil vai contribuir para essas discussões com a realização de avaliações sobre as UCs brasileiras e, mais especificamente, as UCs da Amazônia. Vale destacar que essa avaliação da Amazônia engloba não apenas as UCs no território brasileiro, mas todo o sistema de unidades de conservação dos nove países amazônicos”, afirma o superintendente de conservação do WWF-Brasil, Cláudio Maretti.

Maretti explica ainda que uma das principais expectativas com relação à COP-10 é que sejam discutidas diretrizes concretas a respeito da repartição de benefícios provenientes da biodiversidade: “esse é o ponto da CDB que ainda não recebeu a devida atenção por parte dos signatários da Convenção”.

Pós-Copenhague

Outro tema que se destaca este ano é a importância da biodiversidade para o equilíbrio climático do planeta. Depois dos resultados pouco alentadores da COP-15 da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima, realizada em dezembro passado em Copenhague, Dinamarca, a discussão sobre o clima irá continuar em pauta.

“Além de ser importante para a regulação climática, a biodiversidade terá um papel fundamental para a adaptação dos seres humanos às mudanças climáticas que já são inevitáveis. Precisaremos contar com os ecossistemas para buscar estratégias de adaptação”, comenta Maretti.

Por outro lado, as ações de conservação da biodiversidade também precisarão se adaptar ao novo contexto de mudanças climáticas. As alterações no clima podem ter graves efeitos para os ecossistemas e ainda é preciso pesquisar alternativas para garantir a sobrevivência das espécies e a continuidade dos serviços ecológicos que prestam.

“No Pantanal, o WWF-Brasil está fazendo um trabalho pioneiro de avaliação da vulnerabilidade às mudanças climáticas e de desenvolvimento de estratégias de adaptação com base em ecossistemas”, conta o superintendente de conservação.

As atividades de abertura do Ano Internacional da Biodiversidade contarão com a presença de especialistas da CDB, da Universidade de Harvard, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), UICN, entre outros.

Antes do evento de lançamento do Ano Internacional da Biodiversidade, no dia 21 de janeiro, as conclusões do próximo relatório do Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), Global Biodiversity Outlook 3, serão apresentadas em coletiva de imprensa na Unesco. A ONU promove também uma conferência científica sobre o tema, entre os dias 25 e 29 de janeiro.

Para saber mais sobre a situação do planeta, acesse o relatório Planeta Vivo 2008 produzido pela Rede WWF.

Fonte: WWF

  
  

Publicado por em