Estudo comprova valor medicinal e nutricional de mais duas espécies florestais

O valor medicinal e nutricional do piquiá e do amapá-doce, duas espécies florestais da região amazônica, foi comprovado em estudo da Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e

  
  

O valor medicinal e nutricional do piquiá e do amapá-doce, duas espécies florestais da região amazônica, foi comprovado em estudo da Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em parceria com o Departamento para o Desenvolvimento do governo da Grã-Bretanha.

O projeto Dendrogene, desenvolvido pela Embrapa Amazônia Oriental, de Belém (PA), apresentou os resultados de um trabalho inédito que avaliou o óleo de piquiá e o leite do amapá-doce, produtos retirados de árvores com valor madeireiro e utilizados como alimento, além do tratamento de doenças em diversas regiões da Amazônia.

O trabalho fez parte da dissertação de mestrado da pesquisadora Sílvia Galuppo.O estudo foi iniciado em 2002, com o objetivo de testar o efeito medicinal dos dois produtos de acordo com o uso recomendado por uma comunidade tradicional.

A pesquisadora esteve durante quatro meses na comunidade Piquiatuba, localizada na Floresta Nacional do Tapajós, na região oeste do Pará, para identificar a forma de exploração e os usos mais comuns dos produtos.

O óleo, retirado do fruto, é tradicionalmente usado para aliviar dores musculares e reumatismo. O leite, um tipo de látex extraído do tronco da árvore, é aplicado no tratamento de doenças como asma e bronquite.

Na etapa seguinte, os laboratórios de agroindústria da Embrapa, e de farmácia e de química de alimentos da UFPA - Universidade Federal do Pará fizeram testes químicos, físicos, fitoquímicos e farmacológicos nos produtos.

Segundo Sílvia Galuppo, a presença de compostos orgânicos, como esteróides, triterpenóides e outros, caracterizaram o óleo de piquiá e o leite de amapá como produtos fitoterápicos – medicamentos com componentes terapêuticos derivados exclusivamente de plantas.

Os testes fitoquímicos e farmacológicos com ratos comprovaram finalmente a ação antiinflamatória e analgésica do óleo, e ação antiinflamatória do leite.

Quanto ao teste nutricional, o leite apresentou inclusive maior quantidade de sais minerais (magnésio, cálcio, etc.) e proteínas do que os leites de soja e de vaca. Para cada 100g, foram encontrados 120mg de cálcio, 70mg de fósforo, 60 mg de magnésio e até 7,13% de proteínas totais, valores bastante próximos ao que é recomendado na alimentação diária.

A pesquisadora explicou que, a partir da descrição farmacológica realizada no seu trabalho, a comunidade já poderá inclusive regularizar a comercialização destes produtos na Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Galuppo enfatiza os cuidados necessários com o manejo das árvores para a obtenção de produtos medicinais, especialmente em relação ao leite do amapá-doce, que é obtido através de cortes no tronco das árvores.

A preocupação é que o excesso e a profundidade dos cortes prejudiquem a produção, tornando a árvore fraca e comprometendo sua conservação no local.

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento


  
  

Publicado por em