Frota antiga de veículos agrava o problema da poluição no país

Com normas cada vez mais rígidas para reduzir o número de automóveis poluidores, o Brasil tem problema na hora de controlar os carros que saíram das fábricas há mais de dez anos. Segundo o professor de Engenharia Mecânica da Universidade de Brasília (U

  
  

Com normas cada vez mais rígidas para reduzir o número de automóveis poluidores, o Brasil tem problema na hora de controlar os carros que saíram das fábricas há mais de dez anos.

Segundo o professor de Engenharia Mecânica da Universidade de Brasília (UnB), Carlos Alberto Gurgel, o país segue, à risca, todas as recomendações para reduzir o nível de emissões dos carros novos, mas não tem normas severas para veículos que já saíram de fábricas há mais tempo.

`Temos carros com dez, quinze anos, que realmente são fontes de poluição. O que faltaria agora seria uma norma mais severa, para, de tempo em tempo, averiguarmos qual o nível de emissões de cada veículo`, disse o pesquisador.

Gurgel lembra que os veículos não são os únicos poluidores do planeta, mas o grande número de automóveis em circulação confirma que os carros são os grandes emissores e colaboradores para o crescimento do efeito estufa.

Tanto é que os governos têm, cada vez mais, agido com rigor nas questões ambientais relacionadas a emissores. Os veículos saem das montadoras seguindo normas bem severas de emissões e as projeções para o futuro. Daqui a cinco anos, essas exigências devem aumentar inclusive no Brasil.

O professo Gurgel porém, faz um alerta: não basta apenas que empresas forneçam um laudo sobre a condição dos veículos.

`Uma coisa séria, porque algumas empresas entram no sistema e ganham dinheiro. Mas, na verdade estão vendendo o laudo e a gente deve coibir qualquer atividade errônea`, disse.

Ele defende os usuários, que já pagam IPVA, seguro e outros impostos. Independente da fiscalização do governo, Gurgel considera que o mais importante é a consciência das pessoas sobre a questão.

Para ele, as pessoas têm que ter em mente que a emissão exagerada de gás pelo carro é um indicativo de que algo está errado no motor. Um problema que afeta o ambiente e o bolso do proprietário do veículo.

O segredo, na sua opinião, é manter o carro dentro das normas previstas. Trocar filtros de acordo com a recomendação e procurar combustíveis de boa procedência, por exemplo. Até porque, lembra ele, não podemos esquecer que o Brasil é um dos signatários do protocolo de Kioto, que recentemente foi assinado pela Rússia e passa a vigorar em fevereiro próximo. O protocolo prevê a redução de gases poluentes.

Atentos os pesquisadores da UnB buscam estimular a discussão sobre o tema também no meio acadêmico. O professor Gurgel destaca que o pessoal chega à universidade já muito bem preparado e sai ainda mais consciente sobre todas essas questões.

`Temos algumas disciplinas que enfocam esses assuntos e a própria universidade tem eventos que abordam isso. Assim, a turma está muito boa e consciente`, garante.

Fonte: Radiobras

  
  

Publicado por em