Governo encaminha regularização fundiária de Ilha Gran

Ministério do Meio Ambiente, Ibama, governo estadual, parlamentares paranaenses e ex-moradores do Parque Nacional da Ilha Grande (PR) reunidos na terça-feira (9/8) em Brasília (DF) chegaram a um acordo para acelerar a regularização fundiária de 60 mil hec

  
  

Ministério do Meio Ambiente, Ibama, governo estadual, parlamentares paranaenses e ex-moradores do Parque Nacional da Ilha Grande (PR) reunidos na terça-feira (9/8) em Brasília (DF) chegaram a um acordo para acelerar a regularização fundiária de 60 mil hectares na unidade de conservação. Cerca de 1,5 mil famílias precisam ser indenizadas com a criação do parque.

Entre as medidas, está um dispositivo do Código Florestal Brasileiro, alterado pela Medida Provisória 2166-66/2001, até hoje nunca usado em uma reserva federal. Pelo texto, quem doar terras no interior de áreas protegidas aos órgãos ambientais não precisará manter a reserva legal de florestas em sua propriedade por até 30 anos.

Com isso, parte da regularização do parque seria feita com a `compra` de áreas na reserva por particulares. Os antigos proprietários com títulos de posse seriam indenizados com esses recursos, e as áreas adquiridas seriam doadas ao Ibama. Essa medida também seria uma compensação pelo desmatamento da reserva legal em propriedades privadas fora do parque.

`Podemos usar o caso de Ilha Grande como um piloto para definir a melhor forma de aplicar esse dispositivo do Código Florestal`, disse Valmir Ortega, diretor de Ecossitemas do Ibama.

Para a efetivação do parque, também será avaliado valor da terra na região e a aplicação de recursos da compensação ambiental de obras de infra-estrutura, como hidrelétricas e rodovias.

Uma proposta para a regularização fundiária da reserva deverá ser apresentada até o fim de setembro por um grupo formado por representantes do Ministério do Meio Ambiente, Ibama, Incra, Crea, governo do Paraná e Banco do Brasil.

O parna da Ilha Grande foi criado em 1997, e tem pouco mais de 100 mil hectares. A maioria das famílias que devem ser indenizadas já teria deixado o parque.

Além de preservar uma floresta de transição, entre a Mata Atlântica, o Cerrado e o Pantanal, o parque da Ilha Grande abriga várias espécies endêmicas (que só existem ali) ou ameaçadas de extinção.

Lá foram registrados animais como cervo-do-pantanal, jacaré-do-papo-amarelo, onça-pintada, anta e o tamanduá-bandeira, peixes como pintado, jaú, dourado e pacu, além de aves como jaburu, jaó, mutum e colhereiro.

Fonte: MMA

Angra dos Reis

  
  

Publicado por em