Greenpeace bloqueia navios que forneceriam suprimentos militares para a guerra no Iraque

O barco Rainbow Warrior, pertencente à organização ambientalista Greenpeace, bloqueou terça-feira (28/1) pela manhã a partida de navios ingleses contendo suprimentos militares e que se dirigiam ao Golfo Pérsico. O Rainbow Warrior ocupou o porto mil

  
  


O barco Rainbow Warrior, pertencente à organização ambientalista Greenpeace, bloqueou terça-feira (28/1) pela manhã a partida de navios ingleses contendo suprimentos militares e que se dirigiam ao Golfo Pérsico.

O Rainbow Warrior ocupou o porto militar Marchwood em Southampton, na costa sul da Inglaterra, desceu sua âncora e bloqueou a saída, enquanto ativistas escalaram e acorrentaram-se às correntes do navio de suprimentos Magdelena Green; equipes em botes infláveis também pintaram as palavras “Guerra Não!” nas laterais do navio.

Navios comandados por civis também foram carregados dia e noite com helicópteros, caminhões, tanques, e outros aparatos militares. O protesto pacífico que o Greenpeace está realizando faz parte de uma campanha global para evitar um ataque militar ao Iraque.No final da tarde de ontem, os ativistas que ainda estavam a bordo do cargueiro foram removidos do local por escaladores da polícia, sendo libertados em seguida.

O Rainbow Warrior permaneceu em posição e continuou bloqueando o carregamento e a partida dos navios.Durante a madrugada, uma forte tempestade obrigou o barco da organização a erguer a âncora. Era impossível permanecer em posição, mesmo com os motores ligados, então a decisão foi de mover o barco para fora do porto.

O Rainbow Warrior conseguiu ancorar de maneira mais segura em mar aberto e permanecerá por lá até que seja seguro continuar com a campanha.

“Nós estamos determinados a parar com essa corrida para uma guerra que está mais preocupada com petróleo do que com sangue. Uma guerra contra o Iraque não tornaria o mundo mais seguro: ela simplesmente aumentaria o apoio ao terrorismo e poderia levar ao uso de armas de destruição em massa.

Os impactos humanos e ambientais serão desastrosos e ninguém seria beneficiado, a não ser George W. Bush e companhias de petróleo como a ExxonMobil”, disse Stephen Tindale, diretor- executivo do Greenpeace Reino Unido, a bordo do Rainbow Warrior.

O Greenpeace se opõe à guerra contra o Iraque – independentemente do ataque ser ou não aprovado pela Organização das Nações Unidas – porque ela traria consequências devastadoras para os seres humanos e meio ambiente.

De acordo com especialistas militares e da área de saúde, uma guerra convencional poderia matar mais de 200 mil pessoas, principalmente civis, e mais 250 mil poderia morrer em decorrência de fome e doenças (MEDACT). Se a guerra evoluir e envolver armas químicas e/ou nucleares, o número de mortes poderia alcançar a casa dos milhões.

A guerra é obviamente motivada pelo petróleo. As mesmas forças que estão apoiando a guerra estão também se opondo à entrada dos EUA no Protocolo de Kyoto, que poderia combater as mudanças climáticas.

O governo britânico anunciou, recentemente, que uma das cinco prioridades para a política internacional do Reino Unido é assegurar o acesso à energia. Ainda assim, Blair nega que um possível ataque ao Iraque estaria relacionado ao petróleo.

Fonte: Greenpeace

  
  

Publicado por em