Greenpeace conseguiu evitar contaminação por transgênicos

Após cerca de 20 horas de protesto – desde às 23h40 de sexta-feira até a noite de sábado(12/5) – ativistas do Greenpeace conseguiram impedir que o navio Global Wind, carregado com soja transgênica,completasse seu carregamento com soja convenci

  
  

Após cerca de 20 horas de protesto – desde às 23h40 de sexta-feira até a noite de sábado(12/5) – ativistas do Greenpeace conseguiram impedir que o navio Global Wind, carregado com soja transgênica,completasse seu carregamento com soja convencional no Porto de Paranaguá, no Paraná.

Durante as 20 horas, os ativistas ocuparam a área de carregamento e mantiveram uma faixa com os dizeres “Paraná Livre de Transgênicos” no shiploader (equipamento que faz a transferência da soja do porto para o navio) do Global Wind. A manifestação foi encerrada quando o navio deixou o Porto de Paranaguá sem o carregamento que pretendia fazer.

O Global Wind está carregado com 30 mil toneladas de soja transgênica da empresa Bunge da Argentina e pretendia embarcar mais 10 mil toneladas de soja convencional da Fertimport, subsidiária da Bunge, em Paranaguá.

“Hoje nós conseguimos manter a soja paranaense convencional livre da contaminação”, disse Mariana Paoli, coordenadora da Campanha de Engenharia Genética do Greenpeace.

“Mas a Bunge ainda não se comprometeu a adotar medidas para evitar a contaminação deliberada”, complementou. A ação em Paranaguá é parte da expedição “Brasil Melhor sem Transgênicos”, que o Greenpeace vem realizando desde meados de abril a bordo do navio Arctic Sunrise.

Paranaguá é o principal porto brasileiro a implementar medidas efetivas para controlar as cargas e manter as exportações de soja livres de contaminação transgênica. O Estado do Paraná, segundo maior produtor de soja no Brasil, proibiu no final do ano passado o cultivo, processamento, comercialização, transporte e exportação de soja transgênica em seu território e nos portos de Paranaguá e Antonina.

O Brasil tem todas as condições de atender à crescente demanda por produtos não transgênicos no mercado internacional, especialmente da União Européia, onde passou a vigorar no mês passado a nova regulamentação de rotulagem de transgênicos.

“O governo federal ainda não tomou nenhuma medida para prevenir a contaminação transgênica”, avalia Mariana.

O Greenpeace demanda que o governo federal apóie os esforços do governo do Paraná e do Porto de Paranaguá em manter-se livre de transgênicos e que iniciativas como a do Paraná sirvam de exemplo para os demais Estados brasileiros.

Na segunda-feira (3/5), os ativistas do Greenpeace tentaram impedir a chegada do Global Wind no Porto de Paranaguá, se prendendo à âncora do navio. Devido ao mau tempo e aos fortes ventos que atingiram o local, os ativistas tiveram que interromper o protesto por motivo de segurança. Como conseqüência, durante a madrugada, o Global Wind deixou a área onde estava fundeado e retornou para tentar completar seu carregamento na sexta.

O Greenpeace continuará lutando para que a soja transgênica vinda de outras partes do Brasil e do mundo não contamine o principal porto garantidamente não transgênico do país. Apesar de o governo brasileiro ter autorizado o plantio da soja transgênica no ano passado, nenhuma medida foi tomada a fim de garantir a documentação e informação previstas nas legislações nacional e internacional.

Fonte: Greenpeace

  
  

Publicado por em