Greenpeace solicita ao Lula que não condene o Brasil aos transgênicos

O Greenpeace exigiu no dia 22/9, que o governo federal não libere a soja transgênica mais uma vez por meio de nova medida provisória. A possibilidade vem sendo considerada em Brasília, desde que o Senado deixou de votar o Projeto de Lei de Biossegurança n

  
  

O Greenpeace exigiu no dia 22/9, que o governo federal não libere a soja transgênica mais uma vez por meio de nova medida provisória. A possibilidade vem sendo considerada em Brasília, desde que o Senado deixou
de votar o Projeto de Lei de Biossegurança na semana passada, o que regulamentaria a questão.

Os ativistas do Greenpeace, caracterizados como representantes das grandes corporações (como a Monsanto), imbolicamente acorrentaram o Palácio do Planalto à uma bola de “chumbo” gigante, marcada com o “T” oficial da rotulagem os produtos transgênicos.

A ação correspondia ao fato de o País poder estar
`condenado” aos OGMs (organismos geneticamente modificados) e aos interesses de grandes empresas.

O governo e o congresso têm a obrigação de garantir uma legislação forte de Biossegurança que assegure o licenciamento ambiental e a avaliação do Ministério da Saúde. E sua responsabilidade zelar pelo meio ambiente, pela saúde da população e pela economia do País. Cabe agora ao governo cumprir seu papel e não editar uma nova MP, antes da realização das devidas avaliações dos impactos dos transgênicos no meio ambiente.

“É inconcebível que o governo edite uma terceira medida provisória para liberar a soja transgênica no Brasil, sem qualquer estudo de impacto ambiental”, afirmou Gabriela Couto, integrante da Campanha de Engenharia Genética do Greenpeace.

“É um desrespeito à sociedade, já que mais de 80% da população não quer que os transgênicos sejam liberados no País .Além disso, a medida atende a uma minoria e coloca em risco a crescente vantagem que o Brasil vem adquirindo frente a outros países produtores de soja, uma vez que é o único grande fornecedor de soja não-transgênica do mundo”.

Com a edição de uma nova MP destinada à liberação do cultivo da soja transgênica, o governo federal beneficiara apenas uma minoria de agricultores do Rio Grande do Sul, que fizeram ilegalmente uma opção de plantar a soja transgênica ;desrespeitaria uma sentença judicial do Tribunal Regional Federal (TRF) de Brasília, que exige o Estudo de Impacto Ambiental(Eia/Rima) prévio à liberação da soja Roundup Ready no meio ambiente .

Fonte: Assessoria do Greenpeace

  
  

Publicado por em