Leonardo Boff fala sobre Analfabetismo Ambiental

O téologo e humanista Leonardo Boff, integrante da Comissão de Honra da Conferência Nacional do Meio Ambiente, iniciou nesta sexta-feira (28), sua participação oficial no evento conclamando a todos pelo esforço em perseguir os quatro princípios que consid

  
  

O téologo e humanista Leonardo Boff, integrante da Comissão de Honra da Conferência Nacional do Meio Ambiente, iniciou nesta sexta-feira (28), sua participação oficial no evento conclamando a todos pelo esforço em perseguir os quatro princípios que considera básicos para o alcance da vida sustentável na Terra: solidariedade, precaução, responsabilidade e alfabetização ambiental.

Leonardo Boff

Para Boff, autor da Teoria da Libertação e ex-frei, o ser humano precisa incorporar uma nova visão sobre o planeta, levando em conta que não é habitante exclusivo do mundo em que vive. `Não temos o monopólio sobre a biosfera, aqui vivem plantas e animais, há o solo. Respeitar tudo isso chama-se desenvolvimento sustentável`, afirmou. Para ele, o homem só alcançará sustentabilidade quando entender a Terra como um prolongamento do próprio corpo.

O princípio da precaução é fundamental na questão ecológica , na visão do teólogo, porque em todas as atividades humanas há uma relação entre risco e benefício que se não for computada pode ser destrutível. Boff defendeu a liberdade à pesquisa porque acredita que quanto mais conhecimento se acumula mais universalização de informações o homem terá. Ele classificou a raça humana de analfabetos ambientais e disse que sonha, como no passado divulgava a Carta dos Direitos Humanos em praça pública, junto com d. Paulo Evaristo Arns, há vários anos, em divulgar uma cartilha ecológica que contenha princípios básicos da sustentabilidade e da alfabetização ecológica.

Lembrando Arns novamente, o teólogo enfatizou a fraternidade como elemento fundamental para a vida na Terra, seja do ponto de vista ambiental e social. `Eu perguntei certa vez ao frei como nós iríamos ajudar as pessoas e ele me respondeu que era simples. Bastava que pensássemos nelas como crianças que ainda são, mas cujos pés estão mais cansados. Acho que assim, se queremos ajudar alguém, temos que ajudar cuidando dele, fazendo uma história com ele, porque assim terminaremos irmãos pela vida inteira e teremos nos ajudado a nós mesmos`, finalizou.

Leonardo Boff o representante brasileiro na elaboração da Carta da Terra, documento que deu seqüência a outro com o mesmo nome e cuja redação foi proposta na Rio-92, mas substituído pela Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. A Carta da Terra da Conferência das Nações Unidas, realizada no Rio de Janeiro, tinha por objetivo servir de base ética e moral para a Agenda 21, mas não houve consenso entre os países sobre seu conteúdo e o documento sequer foi escrito. O secretário geral da conferência, Maurice Strong e o presidente da Cruz Verde Internacional, o ex-presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachev, lançaram, então, em 1996, a nova iniciativa da Carta da Terra, na Costa Rica.

O documento final foi publicado no dia 14 de maio de 2000 e teve a participação de 100 mil pessoas de 46 países. Agora, a comissão internacional da Carta da Terra quer que as Nações Unidas (ONU) reconheçam seu conteúdo e a publiquem com idêntico valor ao da Declaração dos Direitos Humanos, publicada em 1948. Para Boff, a Carta da Terra é o documento que expressa o novo estado de consciência da humanidade, de que a Terra não é só o lugar onde habita o ser humano, `mas o ser humano é a própria Terra`.

Boff, lançou nesta sexta-feira, à noite, o livro Terra América, escrito em parceria com Marco Antônio Miranda. O livro, com fotos e textos, revela uma expedição que saiu de Petrópolis (RJ) para conquistar os Andes, atravessando florestas, rios, desertos e cidades históricas até chegar ao Pólo Norte.

Fonte: Agência Brasil

  
  

Publicado por em

Maria Augusta

Maria Augusta

04/09/2011 10:49:11
No momento, nem tenho nada a acrescentar. Leonardo Boff foi magnífico e os comentários anteriores foram muito lúcidos. Fico imensamente feliz em descobrir gente preocupada com o próximo, com os animais, com as riquezas do planeta, com o nosso LAR. Que bom!

Araceli-

Araceli-

04/06/2010 16:11:39
Assim como a luta pelo direito a educação, a saúde, a comida, a segurança, precisamos fazer um movimento pelo direito a continuidade da vida no Planeta Terra.
Leonardo Boff tem toda a razão.

Edson

Edson

02/09/2009 17:51:20
Olá, peço licença para expor meu comentário que se aproxima um pouco com o da pessoa Dê, ou seja, minha preocupação ou melhor compreensão de educação ambiental se concretizou neste momento em que estou na faculdade e entrei em contato com um grupo de estudos cujo tema é meio ambiente. Acredito que as idéias de Leonardo Boff são bastantes pertinentes com o que vem aconecendo e por achar isso decidi desenvolver em meu trabalho monográfico o tema focado nesta área de Educação ambiental, mais precisamente: consciência ambiental, mais no sentido de "alfabetização anbiental".

Claudia fernandes costa

Claudia fernandes costa

13/07/2009 21:01:40
Eu não só acho, tenho certeza que leonardo boff é "o cara". Sou orientadora social do ProJovem Adolescente e estou trabalhando meio ambiente e preciso de dicas.

Equipe EcoViagem

Equipe EcoViagem

Olá Claudia, O EcoViagem é um veículo de comunicação e não tem vínculo com as empresas e órgãos anunciantes. Para obter as informações e dicas de que precisa oriento a buscá-las junto à "Agência Brasil", responsável pela matéria. Agradecemos seu contato Equipe EcoViagem
Stela Junqueira

Stela Junqueira

29/05/2009 15:27:17
Esse e meu amigo Lucas...
E ele está competindo comigo pra salvar a Terra...
heheh
Ajude-nos!
Beijos a todos!

Lucas

Lucas

29/05/2009 15:20:57
Faça sua parte e ajude o nosso Planeta.

Stela Junqueira

Stela Junqueira

29/05/2009 15:19:52
Devemos salvar a nossa "mãe"...a Terra...

Lucas

Lucas

29/05/2009 15:17:57
Para um futuro melhor para nós e para as gerações que se sucederão,todos deveríamos nos conscientizar de que os nossos atos surtem efeito no nosso planeta e que se cada um fizer sua parte,todos teremos uma vida melhor e mais alegre,uma vez que para viver bem é preciso ajudar nas questões humanitárias coletivas e não só ter pesamentos individualistas.Poque só assim poderemos viver melhor.

Stela Junqueira

Stela Junqueira

06/05/2009 19:46:54
Acho que esse senhor poderia ganhar algum prêmio pela suas palavras e que continue ajudando a salvar a Terra, como todos deveriamos fazer, porém não é bem assim que as coisas ocorrem, não é!?

Dê

05/10/2008 19:25:52
As pessoas não fazem nada por falta de informação.Por exemplo:Deveriamos saber quando passa o caminhão da reciclagem,as pessoas não foram educadas para separar o lixo,é preciso fazer seguimento com as mesmas pessoas.Estou fazendo Pedagogia e só agora mostrei interesse por que tivemos uma aula sobre a educação ambiental, e agora cuidar mais do meio ambiente, porque fui informada.

Equipe EcoViagem

Equipe EcoViagem

Parabéns pela iniciativa, Dê!