Medicamento brasileiro contra Alzheimer poderá ser produzido com espécie da Mata Atlântica

Oito pesquisadores brasileiros identificaram na Cácia do Nordeste, planta comum na Mata Atlântica, substâncias que se mostraram eficazes para minimizar os sintomas do Mal de Alzheimer. `Se essas substâncias passarem por todas as etapas necessárias, de

  
  

Oito pesquisadores brasileiros identificaram na Cácia do Nordeste, planta comum na Mata Atlântica, substâncias que se mostraram eficazes para minimizar os sintomas do Mal de Alzheimer.

`Se essas substâncias passarem por todas as etapas necessárias, dentro de uns cinco anos nossa esperança é ter um medicamento brasileiro feito totalmente aqui dentro, planejado e executado totalmente no Brasil`, afirma o pesquisador da Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho, de São Paulo, Cláudio Viegas.

Atualmente existem apenas quatro medicamentos para tratar a doença e nenhum deles é produzido no Brasil.

Segundo Cláudio Viegas, além de serem caros, esses medicamentos trazem diversos efeitos colaterais aos pacientes. Ele diz que as substâncias identificadas na Cácia do Nordeste causam poucos efeitos colaterais, quando comparada com dois remédios hoje comercializados.

A pesquisa, iniciada em 2001, foi uma das selecionadas pelos ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia para receber recursos federais.

O projeto recebeu R$ 1,1 milhão e está na fase intermediária em que as substâncias são testadas nos animais. Caso se mostrem seguras, será possível pedir autorização para fazer os ensaios clínicos.

Estimativas apontam que cerca de 1,2 milhão de brasileiros sofrem de Alzheimer. A doença não tem cura e o primeiro sintoma é a falta de memória, que evolui para deficiência no aprendizado e na coordenação motora. O estágio mais avançado leva o paciente a um quadro de demência.

O programa de Seleção de Projetos Cooperativos entre Empresas e Instituições Científicas e Tecnológicas para o Desenvolvimento de Bioprodutos de Uso Terapêutico quer produzir, até 2008, medicamentos com matérias-primas encontradas na fauna e na flora brasileira. Serão investidos um total de R$ 6,9 milhões nos oito estudos selecionados.

Fonte: Agência Brasil

  
  

Publicado por em

Anabela

Anabela

29/12/2008 22:51:39
Excelente. Já existe esse medicamento?