Membros da ISRS lançaram guias para divulgação da proteção dos corais

A Sociedade Internacional para Estudos em Corais (ISRS) lançou um programa ambicioso para divulgar os resultados de pesquisas científicas. O objetivo é melhorar políticas e práticas de conservação de recifes de corais em todo o mundo. Para ajudar os e

  
  

A Sociedade Internacional para Estudos em Corais (ISRS) lançou um programa ambicioso para divulgar os resultados de pesquisas científicas. O objetivo é melhorar políticas e práticas de conservação de recifes de corais em todo o mundo.

Para ajudar os ecossistemas ameaçados, membros da ISRS estão produzindo uma série de guias que resumem importantes pesquisas relacionadas a temas críticos à conservação.

“Esses artigos irão apresentar um panorama objetivo e rigoroso da ciência dos recifes de coral, em assuntos como uso, conservação e administração dos recursos”, disse Nicholas Polunin, da Universidade de Newcastle University, no Reino Unido, e presidente da ISRS.

As publicações, que apresentam o consenso dos cerca de 2 mil membros da ISRS, serão distribuídas em todo o mundo e também estarão disponíveis no site da sociedade. A ISRS pretende soltar pelo menos quatro textos por ano.

Os primeiros quatro documentos estão sendo apresentados no 10º Simpósio Internacional de Recifes de Corais, que ocorre esta semana em Okinawa, no Japão.

A organização ficou a cargo de Kathleen Sullivan Sealey, da Universidade de Miami, nos Estados Unidos. Os textos serão publicados no site da entidade em breve.

A decisão de produzir os guias surgiu após um alerta de um cientista da República Dominicana, há cinco anos, sobre a provável destruição de recifes no país com a construção de um porto.

A ISRS conseguiu modificar um documento técnico do Banco Mundial sobre instalação de portos ao demonstrar como pesquisas recentes haviam estabelecido novos níveis de tolerância para corais.

As novas descobertas mostraram o potencial de devastação que o projeto, que foi cancelado, teria causado. Com o caso, a ISRS verificou a necessidade de dispor informações científicas recentes para assuntos relativos à conservação dos corais.

A associação foi fundada em 1980 por cientistas de diversos países para promover a produção e a divulgação de conhecimento científico sobre recifes de corais, tanto vivos como fósseis.

Fonte: Agência Fapesp


  
  

Publicado por em