Ministério da Ciência e Tecnologia lança concurso para criação da logomarca do Proantar

O CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e o MCT - Ministério da Ciência e Tecnologia estão lançando o concurso para a criação da logomarca das atividades científicas do Proantar. O ganhador vai para a Antártica com tudo pago

  
  

O CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e o MCT - Ministério da Ciência e Tecnologia estão lançando o concurso para a criação da logomarca das atividades científicas do Proantar. O ganhador vai para a Antártica com tudo pago.

Pode concorrer qualquer residente no Brasil, independentemente de nacionalidade ou grau de instrução, que seja maior de 18 anos na data da viagem, prevista para 13 de dezembro.

As inscrições podem ser feitas até 31 de outubro de 2003 e o resultado sai dia 20 de novembro. Mais informações e a ficha de inscrição estão no site oficial.

Proantar

O Proantar foi criado em 1982 e em dezembro do mesmo ano a Marinha do Brasil realizou o reconhecimento hidrográfico, oceanográfico e meteorológico de áreas no continente para selecionar o local onde seria instalada a futura estação brasileira.

O sucesso da Operação Antártica I resultou no reconhecimento internacional de nossa presença na região, o que permitiu a aceitação do Brasil como parte consultiva do Tratado da Antártica em 1983.

Para que um país assuma essa posição é exigida a realização de atividades científicas substanciais, que são coordenadas pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e o CNPq. As linhas de pesquisa envolvem ecossistemas marinhos e terrestres, biodiversidade genética, orgânica e ecológica.

Destaque para as pesquisas sobre as baleias Jubarte e Minke, que se acasalam e reproduzem na costa brasileira e se alimentam nas águas antárticas. Também são realizados estudos geológicos, geofísicos, oceanográficos e cartográficos e pesquisas na área de glaciologia para monitorar as variações na massa de gelo e determinar variações na concentração dos gases que causam o efeito estufa, variações da temperatura atmosférica, períodos de maior atividade vulcânica e padrões de circulação na atmosfera e nos oceanos.

A atmosfera antártica, excepcionalmente limpa, a posição do continente e a configuração do campo magnético da Terra propiciam condições ideais para estudos atmosféricos e do geoespaço. O estudo da ionosfera terrestre é importante para o conhecimento dos processos naturais do planeta e são essenciais para a engenharia de telecomunicações e navegação.

O Proantar também tem acompanhado fenômenos atmosféricos de grande escala, como o efeito estufa e o buraco na camada de ozônio, e sua correlação com a incidência da radiação ultravioleta.

As atividades são desenvolvidas na EACF (Estação Antártica Comandante Ferraz), em três refúgios avançados e a bordo do navio Ary Rongel. A EACF fica na ilha Rei George e conta com mais de 60 módulos contendo laboratórios, oficinas, enfermaria, cozinha e sala de estar, além de um grupamento de 10 militares da Marinha do Brasil que são responsáveis pela operação da base.

A Força Aérea Brasileira realiza sete vôos por ano para levar pesquisadores e suprimentos até o local, e o navio Ary Rongel está equipado com laboratórios para pesquisas nas áreas de meteorologia e oceanografia física e biológica, podendo acomodar 27 cientistas.

Fonte: CNPq

  
  

Publicado por em