Ministério do Meio Ambiente recorre contra decisão do Supremo sobre APPs

O MMA - Ministério do Meio Ambiente enviou à Advocacia Geral da União os argumentos contrários à decisão do Supremo Tribunal Federal que suspendeu a possibilidade de retirada de vegetação em APPs - áreas de preservação permanente com autorização dos órgã

  
  

O MMA - Ministério do Meio Ambiente enviou à Advocacia Geral da União os argumentos contrários à decisão do Supremo Tribunal Federal que suspendeu a possibilidade de retirada de vegetação em APPs - áreas de preservação permanente com autorização dos órgãos de meio ambiente da União, dos estados e dos municípios.

Margens de rios e de lagos, nascentes, topos de morros, regiões muito inclinadas, manguezais e dunas são exemplos de APPs.

Esses locais são protegidos pela legislação federal desde 1965, e sua vegetação só poderia ser removida em casos de interesse social, utilidade pública ou comprovado baixo impacto.

O tema estava sendo detalhado pelo Conama - Conselho Nacional do Meio Ambiente até a semana passada, quando o debate foi interrompido pela decisão do Supremo.

A principal argumentação do Ministério do Meio Ambiente contra a decisão é de que a mesma traz sérios prejuízos à administração das questões ambientais no País.

Além disso, `subverte o sistema constitucional das competências dos três poderes, atribuindo ao Legislativo o que é de competência do Executivo`, afirma em seu despacho à AGU o consultor-jurídico do Ministério do Meio Ambiente, Gustavo Trindade.

A medida do Supremo paralisou o licenciamento de novos empreendimentos em áreas de preservação permanente no País, invalidando, inclusive, leis estaduais e municipais que possibilitavam ao uso desses locais. A retirada de vegetação depende agora de legislação específica, para cada obra.

`Até para se contruir uma pequena ponte sobre um córrego em um propriedade será necessária uma lei específica`, disse o secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente, Claudio Langone.

Fonte: MMA

  
  

Publicado por em