Ministério Público Federal quer medidas mais rigorosas na fiscalização da caça no RS

O Ministério Público Federal está recomendando à Gerência Executiva do IBAMA/RS e ao Batalhão de Polícia Ambiental da Brigada Militar que adotem providências imediatas para a implantação de um regime mais rigoroso de fiscalização da caça de banhado e camp

  
  

O Ministério Público Federal está recomendando à Gerência Executiva do IBAMA/RS e ao Batalhão de Polícia Ambiental da Brigada Militar que adotem providências imediatas para a implantação de um regime mais rigoroso de fiscalização da caça de banhado e campo no Estado do Rio Grande do Sul,independentemente da abertura ou não da temporada oficial de caça amadorista de 2003.

O Rio Grande do Sul é o único Estado do Brasil que autoriza a caça amadorista e a temporada oficial inicia tradicionalmente no mês de maio, com a publicação da Portaria de Caça pelo IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, que se baseia em análises de campo feitas pela Fundação Zoobotânica para definir os períodos, localidades, espécies e cotas permitidos para a caça.

Este ano o processo está atrasado e a Fundação ainda não concluiu sua pesquisa, que deve ser analisada pelo IBAMA e discutidos com a comunidade em audiência pública antes da abertura da temporada.

Para o procurador da República Fábio Bento Alves, um dos responsáveis pela recomendação, `o atraso na abertura da temporada oficial de caça não deve ser motivo para que os órgãos encarregados da fiscalização ambiental posterguem o início das operações especiais e mais rigorosas de fiscalização que ocorrem todos os anos nesta época, pois, a par de um aumento da pressão de caça tradicional neste período, a caça clandestina ao longo de todo ano é uma realidade inegável. A caça ilegal é crime e deve ser combatida. Sem fiscalização, prevalece a impunidade e o prejuízo ao meio ambiente.`

Fonte: Assessoria de Imprensa do MPF-RS

  
  

Publicado por em