MMA lançou Mapas de Cobertura Vegetal Nativa dos Biomas Brasileiros

Pela primeira vez na História do Brasil, um estudo detalhado revela a situação de todos os biomas do País. Os Mapas de Cobertura Vegetal dos Biomas Brasileiros foram apresentados pelo Ministério do Meio Ambiente durante

  
  

Pela primeira vez na História do Brasil, um estudo detalhado revela a situação de todos os biomas do País. Os Mapas de Cobertura Vegetal dos Biomas Brasileiros foram apresentados pelo Ministério do Meio Ambiente durante a abertura da 12ª Reunião Extraordinária da Conabio - Comissão Nacional de Biodiversidade, em Brasília, no dia 20 de dezembro

O estudo revelou que a cobertura vegetal nativa dos biomas Amazônia, Cerrado, Pampa, Pantanal e Caatinga apresentam áreas com percentuais acima de 40% em relação às suas coberturas originais. Para o secretário de Biodiversidade e Florestas do MMA, João Paulo Capobianco, a apresentação dos resultados pode ser comparada à concretização de um sonho.

"Há muitos anos se desejava um estudo como este. Hoje temos um mapeamento nacional, que será analisado e aprimorado continuamente", afirmou, durante a reunião. Os dados ainda são passíveis de ajustes. Os resultados definitivos serão apresentados em 2007.

O Pantanal é o bioma que detém o melhor resultado, com 88,7% de cobertura vegetal nativa intacta. Depois aparece a Amazônia (85%), seguida da Caatinga (62,6%), do Cerrado (61,1%) e do Pampa, com 41,3%. O último lugar da lista pertence à Mata Atlântica, com 27,44%. O estudo, cujo ano base é 2002, contou com a participação de técnicos do Ministério do Meio Ambiente, do IBGE, da Embrapa e de diferentes universidades, entre outros órgãos federais e entidades.

A íntegra do mapeamento estará disponível no início de 2007, afirmou Capobianco. "É uma contribuição de enorme valor, que ajudará a identificar as áreas críticas", disse. Os mapas deverão ainda oferecer subsídios para a formulação de políticas públicas de conservação e uso sustentável da biodiversidade do país.

Cada bioma foi tratado como um projeto independente. Interessados em conhecer o conteúdo dos resumos executivos dos projetos de cada bioma podem acessar o site www.mma.gov.br/portalbio, no link Biodiversidade Brasileira, e selecionar no menu à esquerda o título Cobertura Vegetal dos Biomas Brasileiros.

A iniciativa de mapear a cobertura vegetal nativa dos biomas é da Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Ela foi implementada com recursos do Probio - Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira, resultante de parceria entre o MMA, o CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, o Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF) e o Banco Mundial.

Pantanal :

Com área total de 150.355 Km², o Pantanal se situa na região Centro-Oeste e está inserido na bacia do Rio Paraguai. As paisagens pantaneiras formam um grande mosaico que, mesmo ocupado há mais de 250 anos, abriga grande diversidade de espécies de plantas e animais adaptados à dinâmica do clima e aos pulsos de inundação da região. Foram compostas para o bioma 17 imagens de satélite da série Landsat, do ano de 2002, e 20 cartas topográficas na escala de 1:250.000. Verificou-se que 88,7% da cobertura vegetal nativa do bioma encontra-se preservada enquanto 11,7% são áreas de uso antrópico (ação do homem). As áreas mais preservadas estão no Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul, 85,3% e 91% respectivamente.

Amazônia:

A Amazônia abrange uma área de aproximadamente 4.196.943Km². Apesar de sua dimensão, da riqueza de espécies que abriga e da diversidade de habitats que oferece, há grandes lacunas no conhecimento sobre sua flora, fauna e processos ecológicos. O mapeamento foi feito a partir de 198 imagens Landsat, captadas de 2001 a 2004.

A partir de 261 cartas, na escala de 1:250.000, foi possível mapear as classes de vegetação (tipos de fisionomia, distribuição espacial) e classes de uso (vegetação secundária, pasto, cultura). O trabalho revelou uma área de cobertura vegetal nativa de 85%; destes, 80,76% compostos por florestas, 2,5% por água e 3% por vegetação secundária, indicando uma área antropizada (ação do homem) total de 9,5%, concentrada no Pará, Mato Grosso, Rondônia e Maranhão.

Caatinga:

A Caatinga se estende por quase todos os estados do Nordeste e por parte de Minas Gerais. Estima-se que pelo menos 932 espécies foram registradas na região, sendo 380 endêmicas (típicas da região). A área do bioma compreende 844.453 Km², cobrindo 9,92% do território nacional.

Dentre os biomas brasileiros, é o menos conhecido cientificamente. Foram processadas 54 cenas do satélite Landsat, resultando na produção de 48 cartas. Os mapas do bioma estão na escala de 1:250.000. O estudo revelou que a área preservada compreende o equivalente a 62,69% da cobertura original. Esse percentual não inclui a região norte de Minas Gerais, e as faixas de contato com os biomas Mata Atlântica e Cerrado, mapeadas por outras equipes.

Cerrado:

Com extensão de aproximadamente 204,7 milhões de hectares, o Cerrado se estende pela Bahia, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Piauí, São Paulo, Tocantins e Distrito Federal. Ele é considerado o segundo bioma brasileiro mais rico em biodiversidade.

O mapeamento revelou que a porcentagem da cobertura vegetal do Cerrado é de 61,1%. Esse percentual é maior do que outros levantamentos feitos, como o da ong Conservação Internacional, que em 2004 indicava 55% de área intacta. Uma das principais razões dessa diferença está na resolução espacial dos dados de sensoriamento remoto. Os resultados da Conservação Internacional se baseiam em imagens de satélite com uma resolução espacial de 1 Km, menos precisa do que a resolução do satélite Landsat, usada no mapeamento, de 30 metros.

Foram analisadas 114 cenas do satélite Landsat ETM+ (ano-base 2002). Esse satélite permite mapeamentos temáticos na escala de até 1:50.000. Com essas imagens foram confeccionados 172 mapas na escala de 1:250.000, um nível de detalhamento inédito. Piauí, Maranhão, Tocantins e Bahia são os estados onde o percentual do bioma é maior.

Pampa :

O bioma compreende os campos da metade-sul e das Missões do Rio Grande do Sul, cobrindo uma área aproximada de 176.496 Km². No mapeamento, foram usadas 22 imagens de satélite Landsat 5 TM e 7 ETM+, ano base 2002. Foram confeccionadas 23 cartas-imagem na escala 1:250.000. O mapeamento revelou que o bioma apresenta um total de 41,32% de cobertura vegetal nativa.

Desse total, 23,03% correspondem a formações campestres, 5,19% a formações florestais e 12,91% a formações de transição. Das áreas consideradas não remanescentes, 58,68%, há 9,99% de corpos d'água naturais ou artificiais.

Mata Atlântica :

A Mata Atlântica é considerado o mais ameaçado dos biomas. Nela se concentram 70% da população brasileira, distribuída em 15 estados. Apesar da devastação, a Mata Atlântica ainda conserva uma parcela significativa da diversidade biológica do país, com altíssimos níveis de endemismo. Abriga inúmeras populações tradicionais e garante o abastecimento de água para mais de 120 milhões de pessoas.

A inovação do mapeamento está na identificação dos remanescentes de formações não florestais, além das áreas antrópicas, em toda a área de abrangência do bioma. O estudo apontou a presença de 27,44% de remanescentes (22,44% florestais e 5% não-florestais). Esse total agrega áreas acima de aproximadamente 15 hectares, incluindo vegetação original e secundária em estágio mais avançado.

Os resultados diferem da referência atual estabelecida pelo Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica (da Fundação SOS Mata Atlântica, 2002) por algumas razões. O estudo anunciado nesta quarta-feira (20) adota o Mapa dos Biomas Brasileiros de 2004, enquanto o atlas adota os limites do domínio da Mata Atlântica extraídos do Mapa de Vegetação do IBGE elaborado em 1993.

É preciso destacar ainda que as escalas de mapeamento são diferentes e o conceito de remanescentes adotado no mapeamento é mais abrangente do que no atlas.

Fonte: MMA

Del Valle Editoria

Contato: vininha@vininha.com

  
  

Publicado por em

Larissa

Larissa

05/06/2009 19:21:52
Muito interessante

Adir

Adir

23/01/2009 11:46:22
Na minha opinião, há um exagero quanto à questão do desmatamento da Amazônia. Quase 90 % da Amazônia está preservada. Como o bioma amazônico representa, sozinho, quase 50% do território nacional, pode-se dizer que metade do Brasil é mata nativo. Nenhum outro país conseguiu essa façanha. Em apenas 100 anos de exploração do pau-brasil, os portugueses praticamente dizimaram esta árvore no Brasil. Quer dizer, não é por falta de interesse econômico que não se desmatou mais a floresta amazônia. A floresta não é devastada porque há fiscalização. O risco para o desmatamento ilegal é alto e perigoso: envolve propinas, bandidagem e muitas mortes. Esses aspectos desinsentivam o desmatamento, que acaba sendo feito por uns poucos bandidos audaciosos. Não concordo com a política atual para a Amazônia. Se São Paulo, RJ, Pr ou mesmo os EUA, Itália, Alemanha, tivessem a mesma cobertura vegetal que a Amazônia tem, seriam estados pobres, com população pobre. Para os extrangeiros, é fácil exigir que preservemos mais de 50% de nosso território com mata nativa, eles porém, não fazem o mesmo. O Brasil está preservando a flotesta para o mundo. Ainda por cima,nos acusam de nao sermos responsáveis o suficiente para preservar a amazônia. Amanhã, depois de termos gasto milhões para preservar a Amazônia, virão os salvadores do planeta se apossarem daquilo que só o Brasil conseguiu fazer : preservar quase 50% de seu território com cobertura vegetal original.

Metaleiro

Metaleiro

04/09/2008 10:17:49
É muito impresionante a grandeza que temos, o mais incrivel e a dasvalorização destas riquesas, sem insentivo do governo estas "coisas do alem" que parace para os alunos, está bem na nossa frente mais não podemos ver nem tocar devido a falta de recursos e insentivo para dispertar os alunos todas as suas importancias com pesquisas, creio que o Brasil ainda será um pais ECOLOGICO.