Mulheres extrativistas denunciam problemas ambientais na Amazônia Legal

Em carta aberta aprovada por cerca de 300 trabalhadoras rurais no último encontro do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), ocorrido em São Luís (MA), em dezembro passado, elas manifestam preocupação diante do alto índice de dest

  
  

Em carta aberta aprovada por cerca de 300 trabalhadoras rurais no último encontro do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), ocorrido em São Luís (MA), em dezembro passado, elas manifestam preocupação diante do alto índice de destruição de babaçuais no Maranhão, Piauí, Tocantins e Pará nos últimos três anos. As mulheres também criticam a falta de políticas para o aproveitamento das florestas de babaçu na região.

`Sabemos que mais de 24 mil km² de florestas são devastados anualmente na Amazônia por empresas agropecuárias, para grandes plantações de dendê, por madeireiras, por usinas de ferro gusa e empreendimentos de mineração, por empresas de papel e celulose, com suas florestas homogêneas de eucalipto, e projetos de rodovias, violando a legislação ambiental e desorganizando a economia extrativista`, diz o documento.

A carta de reivindicações, enviada à Presidência da República e representações políticas, cita ainda que a pecuária tem sido apontada em relatórios recentes do Banco Mundial como a principal atividade devastadora na região. Ela, apontada a carta, é responsável por cerca de 80% de toda área desmatada da Amazônia Legal.

O documento informa também que para impedir a derrubada das palmeiras e cumprir com as disposições das leis de preservação ambiental, as quebradeiras têm denunciado os infratores ao Ibama - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, mas não têm obtido sucesso.

As trabalhadoras reclamam na carta que o babaçu não mereceu por partre do governo e dos técnicos a devida atenção dentro do programa do biodiesel, embora a planta tenha a maior área de cobertura vegetal e envolve o maior número de agroextrativistas.

Além das denúncias, na carta as mulheres também relacionam uma série de direitos a que não estão tendo acesso e pedem mais rigor na fiscalização para o cumprimento da lei trabalhista que é `praticamente inexistente na região`.

Fonte: Agência Brasil

  
  

Publicado por em

Leo

Leo

16/12/2008 19:57:04
Realmente é um descaso do governo!!!

Suellen

Suellen

20/11/2008 10:25:39
acredito q esse foi um grande avanço...precisamos de pessoas corajosas como voces

Lorena

Lorena

25/09/2008 11:18:34
Pra mim é muito bom