Agrotóxicos podem estar contaminando Aqüífero Guarani

Estudos de geoprocessamento e processamento remoto, coordenados pela pesquisadora Emília Hamada, da Embrapa Meio Ambiente, vão ser utilizados para pesquisar se o uso de agrotóxicos nas áreas de recarga do Aqüífero Guarani estão contaminando o lençol de ág

  
  

Estudos de geoprocessamento e processamento remoto, coordenados pela pesquisadora Emília Hamada, da Embrapa Meio Ambiente, vão ser utilizados para pesquisar se o uso de agrotóxicos nas áreas de recarga do Aqüífero Guarani estão contaminando o lençol de água.

O Aqüífero Guarani, um dos maiores do mundo, possui áreas de recarga próximas a culturas de cana-de-açúcar, soja, arroz irrigado, milho, entre outras.

Áreas de recarga são locais ou regiões específicas por onde ocorre o recarregamento direto do aqüífero pelas chuvas, cuja profundidade média, no caso específico do Aqüífero Guarani, é de cerca de 50m de profundidade.

Fonte: Campo Grande News

  
  

Publicado por em