Pesquisadores realizaram estudo inédito sobre as águas do Rio Iguaçu

Da Ilha San Martin até o Porto do Macuco no lado argentino, foram mapeados 4.200 pontos em cinco quilômetros

  
  
Um estudo inédito feito acaba de comprovar: a força das águas das Cataratas do Iguaçu / Alexandre Marchetti

Com a ajuda da binacional, pela primeira vez a ciência comprovou aquilo que os olhos de milhares de turistas já viram: a potência das corredeiras das Cataratas do Iguaçu, que chegam a uma velocidade seis vezes superior à de um rio normal

Um estudo inédito feito por profissionais da Itaipu acaba de
comprovar, com dados científicos, o que o olhar de centenas de pessoas vê todos os dias: a força das águas das Cataratas do Iguaçu. Em alguns pontos próximos às quedas, a velocidade chega a quase sete metros por segundo.

A rapidez das águas é seis vezes superior à média de um rio comum, que é de um metro por segundo, e produz força suficiente para arrastar uma pedra de até 10 toneladas.

O resultado é parte de um minucioso trabalho da Divisão de Estudos
Hidrológicos e Energéticos (OPSH.DT) sobre o comportamento das águas do Rio Iguaçu, no trecho de 23 quilômetros entre as cataratas e a confluência com o Rio Paraná.

A pesquisa foi encomendada à Itaipu pela Comisíon Mixta
Argentino Paraguaya del Río Paraná (Comip), formada pelos dois países.

O relatório, que começou com estudos em setembro de 2010 e deve ser concluído em março, ampliará e tornará mais precisos os modelos já existentes sobre o comportamento do Rio Iguaçu.

Até essa análise, os diagnósticos estavam limitados a montante das quedas, ou a uma distância de cinco quilômetros a jusante do Iguaçu, exatamente em virtude da dificuldade imposta pela força das águas.

“Não conseguíamos navegar após o Porto do Macuco por causa da
dificuldade das corredeiras, então nossos estudos iam até este ponto. E o último deles foi feito há 34 anos, em 1977”, explicou o engenheiro Juan Blas Fernandes, da Comip. Uma distância de cinco quilômetros separa o porto da Ilha de San Martin, próxima às primeiras grandes quedas. Para a pesquisa encomendada agora, a alternativa foi alugar uma embarcação do Macuco, com dois motores de 150 cavalos, própria para as corredeiras do Iguaçu

. Foi com este barco que a OPSH.DT conseguiu realizar a medição inédita nas últimas quarta (9/2) e quinta-feira (10/2).

Tecnologia e resultados:

Além da embarcação potente, a tecnologia também ajudou no serviço
feito com a combinação de dois tipos de medição.

O primeiro usou um ecobatímetro – equipamento similar a um sonar, com capacidade para mapear profundidades de até 600 metros, e que gera um traçado da topografia do rio.

O equipamento emite sinais acústicos e, por meio de um relógio interno, mede o intervalo entre o momento da emissão do sinal e o instante do retorno do eco ao sensor.

O som é convertido em sinais elétricos que fornecem informações da profundidade exata abaixo do transdutor. Os resultados são agrupados e convertidos cartograficamente em uma malha
quadriculada, em três dimensões.

O segundo aparelho usa ondas sonoras para medir a velocidade das correntes e as turbulências: é o ADCP, sigla para Acoustic Doppler Current Profiler ou Perfilador Doppler Acústico de Corrente, em português.

O equipamento é usado de forma concomitante a um GPS, que traça os pontos analisados. Da Ilha San Martin até o Porto do Macuco no lado argentino, foram mapeados 4.200 pontos em cinco quilômetros, percorridos em 1h10.

Os dados completos só estarão disponíveis no relatório final, mas já foi possível atestar alguns resultados na quinta-feira (10/2).

Além da velocidade máxima de 6,8 metros por segundo em pontos de
maior correnteza, as análises mostraram a profundidade do trecho, variável entre 2,8 metros a 12 metros no entorno da Ilha San Martin. No Rio Iguaçu, a profundidade média é de 20 metros.

Como era previsto pelos técnicos, a batimetria comprovou a
irregularidade do fundo do Rio Iguaçu na área próxima às quedas. Essa "rugosidade" é uma das responsáveis pela grande turbulência das águas do trecho, tão intensas que impediram a leitura do ecobatímetro em determinados momentos.

“Nunca vi o ecobatímetro não funcionar. É uma força incrível”,
disse o engenheiro civil da OPSH.DT, Paulo Gamaro. “Isso é um laboratório de hidráulica a céu aberto. Aqui vemos as correntes e a turbulência de um jeito que nem os melhores centros de pesquisa do mundo conseguem simular”, disse o engenheiro.

Segundo o gerente da OPSH.DT, Jose Miguel Rivarola Sosa, o trabalho dará ainda mais precisão dos modelos hidrodinâmicos já existentes na Hidrologia.

“Será útil para a Comip e para nós da Itaipu. Quanto mais
informação, melhor a qualidade dos nossos modelos hidrológicos”, concluiu

Fonte: Itaipu

Visite: www.revistaecotour.com.br

  
  

Publicado por em