Atos automatiza captação e distribuição de água em Sergipe

Maior fabricante nacional de Controladores Programáveis vence licitação do Programa PróÁgua; projeto tem apoio do Bird e envolve R$ 7,4 milhões em produtos e serviços A Atos Automação está iniciando a instalação de um sistema automatizado de monitoraç

  
  

Maior fabricante nacional de Controladores Programáveis vence licitação do Programa PróÁgua; projeto tem apoio do Bird e envolve R$ 7,4 milhões em produtos e serviços

A Atos Automação está iniciando a instalação de um sistema automatizado de monitoração e controle de estações elevatórias de água, poços e reservatórios que beneficiará milhares de famílias da região centro-sul de Sergipe.

O projeto faz parte do ProÁgua Semi-Árido, programa que reúne governos estaduais da região, governo federal e Banco Mundial (Bird). O objetivo do programa é ampliar a oferta de água para o semi-árido, assegurando ao mesmo tempo seu uso racional e sustentável.

No total, o ProÁgua deve impactar positivamente 1,3 milhão de pessoas, com investimentos globais de US$ 330 milhões.

Situação atual no interior de SE

A Atos venceu uma das licitações do programa, a que prevê o desenvolvimento de uma sofisticada rede de controle digital de duas adutoras - uma localizada em Piauitinga e outra na região do Agreste sergipano.

O contrato é de R$ 7,4 milhões e prevê a instalação de 80 Controladores Lógicos Programáveis Atos MPC-4004, de um sistema de telemetria (rede de dados baseada em transmissões de rádio digital) que cobrirá mais de 25% da área do estado de Sergipe e de um sistema de supervisão para permitir o controle unificado das adutoras, além de centenas de sensores e outros equipamentos de medição.

Para se ter uma dimensão do projeto, a empresa brasileira vai instalar equipamentos de controle informatizados em 36 reservatórios, 27 estações elevatórias e dez poços artesianos.

Segundo Daniel Andrade, gerente de Aplicações da Atos, o sistema permitirá o controle automático de nível e vazão dos poços artesianos e das moto-bombas das estações elevatórias, que retiram água de rios e represas, visando a produção sustentável dos reservatórios.

`Nosso sistema vai monitorar a produção, verificar
desperdícios e dar maior agilidade na manutenção, além de centralizar informações de todos os pontos da rede em um centro de supervisão`, explica Andrade, que coordena
uma equipe de dez especialistas da Atos diretamente envolvidos no projeto e outros 30, indiretamente.

Ainda segundo Andrade, os principais benefícios da automação estão ligados à saúde pública, à racionalização do consumo e à economia de energia e água.

`Automação é a única forma de tornar econômico o atendimento a demanda inconstante de consumo ao
longo do dia, comum na distribuição de água`, diz ele.

`Alem disso, ela proporciona operações mais eficientes, racionalizando a distribuição de água segundo as
características de cada cidade, e permite que se identifique problemas como de adutoras rompidas quase que instantaneamente através do monitoramento de pressão em todo o circuito.`

Para Howard Alves de Lima, superintendente da área de Recursos Hídricos da Secretaria Estadual do Planejamento e da Ciência e Tecnologia de Sergipe
(Seplantec), a automação das adutoras visa a minimizar perdas e permitir um novo nível de gestão dos recursos hídricos.

`A expressão-chave do programa é sustentabilidade`,
diz Lima. `Por isso a automação é tão importante: ela permite que os recursos hídricos, cada vez mais escassos em todo o planeta, sejam manejados de formas não-agressivas ao meio-ambiente.

Além de levar água a centenas de milhares de famílias, estamos dando a elas informações e educação ambiental para que o processo seja completo.`

Além da importância social da obra, Arnaldo de Souza Aranha, diretor Comercial da Atos, salienta seu significado para a engenharia brasileira. `Preço foi apenas um dos
vários quesitos envolvidos na licitação`, conta ele.

`O difícil, e o mais importante, foi concorrer e vencer empresas que ofertaram o melhor da tecnologia mundial de automação. Nós conseguimos mostrar os melhores custos, a maior competência para implantar e gerir a obra e a tecnologia mais adequada no curto e longo prazos.`

Histórico :

A licitação para a automação das adutoras foi feita no final de 2002. A Atos Automação, empresa de capital nacional sediada em São Paulo, foi a vencedora.

O contrato final foi celebrado no fim de outubro de 2003. Segundo o cronograma das obras de automação, os primeiros equipamentos serão fornecidos nos meses de
novembro e dezembro.

Ao mesmo tempo, equipes da Atos estão realizando
levantamentos de campo e ajustando pontos críticos do projeto, cuja finalização é prevista para o final de 2004.

Fonte: Allameda Editorial - Assessoria de Comunicação

  
  

Publicado por em