Paraná comemorou Dia Mundial da Água com plantio de 1 milhão de mudas

O Paraná comemorou o Dia Mundial da Água, dia 22 de março, com o plantio de 1 milhão de árvores nativas nas margens dos rios dos 399 municípios do Estado. De acordo com o secretário estadual do Meio Ambiente, Luís Eduardo Cheida, o plantio faz parte do Pr

  
  

O Paraná comemorou o Dia Mundial da Água, dia 22 de março, com o plantio de 1 milhão de árvores nativas nas margens dos rios dos 399 municípios do Estado. De acordo com o secretário estadual do Meio Ambiente, Luís Eduardo Cheida, o plantio faz parte do Programa Estadual de Mata Ciliar, iniciado em novembro. O nome mata ciliar vem de cílios que protegem os olhos da mesma forma que a mata protege os rios.

`O objetivo é aproveitar a data e sensibilizar toda a população para, em mutirão, recuperar a vegetação das margens dos rios`, afirma.

De acordo com o secretário este é o maior plantio da história do país realizado em apenas um dia.

Cada município paranaense será responsável pelo plantio de, aproximadamente 2,5 mil mudas, que serão fornecidas pelo IAP - Instituto Ambiental do Paraná com apoio da Secretaria da Agricultura, através da EMATER.

Os técnicos das 20 regionais do IAP existentes no Estado serão responsáveis por localizar os rios prioritários para o plantio da mata ciliar em cada município. Em Londrina, por exemplo, cada escola municipal será responsável pelo plantio de 100 árvores.

O secretário acredita que existe um consenso na sociedade favorável à preservação da água e a função da mata ciliar como fator de proteção do solo e dos rios.

`No último século destruímos muito o Estado, com plantações de produtos agrícolas e pastos até a margem dos rios. A natureza demora 500 anos para fazer um centímetro de solo, que vai facilmente para o rio junto com as chuvas se não houver vegetação para sustentá-lo`, explica.

A mata ciliar é considerada Área de Preservação Permanente e a sua existência é obrigatória, de acordo com a Lei 4.771/65 do Código Florestal Brasileiro. Esta lei define que a mata ciliar tem a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e de flora, assim como de proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas.

`Pela legislação, dependendo da largura de um rio, a área da mata ciliar deve ser constituída entre 30 a 50 metros de largura`, exemplifica Cheida. Ele ainda acrescenta que nas represas essa vegetação deve possuir aproximadamente 100 metros além da margem, o que dependerá sempre do tamanho da caixa do rio.

O Programa :

O programa Estadual de Mata Ciliar já garantiu 100% de adesão dos municípios do Paraná e tem como meta o plantio de 90 milhões de mudas nas margens dos rios do estado, 100 bacias hidrográficas com manancial de captação superficial para abastecimento público, margens dos reservatórios de hidrelétricas, unidades de conservação e bacias dos rios que integram os corredores de biodiversidade.

Para este ano, serão destinados R$ 25 milhões para o Mata Ciliares e a partir de março, o programa ganha o reforço de R$ 4,7 milhões do Fundo Estadual de Meio Ambiente, liberados pelo governador Roberto Requião, que determinou que o programa seja uma das prioridades de seu governo.

Através destes recursos serão fornecidos materiais para construção de cercas, elevadores de água, e assistência técnica aos produtores, além da recuperação de 150 viveiros municipais para fornecimento de mudas.

Agricultores de diversos municípios do Estado já estão fazendo o isolamento das áreas próximas as margens dos rios, evitando que o gado pise e deixando que a vegetação se recomponha sozinha. Esta é uma opção a mais para recuperação da mata ciliar sem que seja necessário o plantio das mudas

O secretário do Meio Ambiente, Luís Eduardo Cheida, disse que daqui para frente às ações desencadeadas darão mais visibilidade ao programa. `Será uma das maiores iniciativas de proteção à biodiversidade e aos mananciais que se tem na história no Estado`, resumiu.

Recuperação :

`As primeiras ações prevêem a recuperação de 150 viveiros de prefeituras que estão danificados. Segundo o secretário Cheida, é preciso fazer a inversão da produção de mudas exóticas, como vinha ocorrendo, para produção de mudas de espécies nativas, que é o objetivo do programa de recuperação de matas ciliares. Cheida lembrou que há a possibilidade da participação da iniciativa privada na produção de mudas, o que inclusive poderá ocorrer a um custo menor. A previsão é produzir em torno de 40 milhões de mudas por ano, observou.

As ações de fiscalização punitivas somente serão aplicadas após terem sido desenvolvidas as ações de esclarecimento dos proprietários rurais, bem como, de difusão das soluções técnicas e ambientais em cada município.

Em alguns municípios do Estado a parceria com a iniciativa privada já vem sendo concretizada com grandes plantios. Entre elas, o plantio de dois milhões de mudas promovido pela Associação dos Produtores de Açúcar e Álcool do Paraná (Alcopar).

A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento está intensificando os trabalhos de recuperação de solos e água, complementando o programa de reposição das matas ciliares. O objetivo é evitar que sedimentos e agrotóxicos das lavouras sejam levados para os rios e lagos, elevando o nível de assoreamento que pode prejudicar o abastecimento de água.

Fonte: AssCom Sema-PR

  
  

Publicado por em