Mercado pet brasileiro é o 2º do mundo

Competitividade do segmento é alta e exige dos empresários gestão inovadora e investimento na relação com os clientes

  
  
O mundo dos animais de estimação ganhou nos últimos anos ares de sofisticação e luxo

O mundo dos animais de estimação ganhou nos últimos anos ares de sofisticação e luxo. Criados como "pessoas da família” nas grandes cidades, os chamados pets já não comem restos do almoço, nem tomam banho de mangueira no quintal da casa. Eles frequentam salões de beleza especializados, onde podem alisar os pelos e banhar-se em ofurôs, passeiam com petwalkers, dormem sob os carinhos de uma petsitter e podem até mesmo acasalar em motéis, se hospedar em hoteis e ficar internado em hospitais. E quando morrem, podem ser cremados ao invés de enterrados.

Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), o Brasil é o segundo maior mercado do mundo em faturamento, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. O setor movimentou R$ 12,2 bilhões em 2011 e a projeção para este ano é um crescimento de 11,42%, com R$ 13,6 bilhões em vendas.

Em todo o país, há cerca de 25 mil lojas de atendimento de animais, que devem abocanhar parte dos R$ 2,18 bilhões previstos somente para a área de prestação de serviços. Outro dado importante é que, entre janeiro e agosto deste ano, o segmento de alimentação para animais de estimação cresceu 10,6% em faturamento e 3,7% em volume, em comparação com o mesmo período do ano passado.

“O segmento é um dos que mais crescem nos setores de comércio e serviços. Pesquisas apontam que, em São Paulo, existem mais petshops que farmácias ou padarias. Nosso objetivo é apoiar estes comerciantes para que seus negócios sobrevivam neste mercado competitivo, que já representa 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. As parcerias com o Conselho Regional de Medicina Veterinária e Abinpet possibilitaram uma aproximação com empresários e interessados em empreender neste setor”, destaca Bruno Caetano, diretor superintendente do Sebrae em São Paulo.

O desenvolvimento desse mercado pode ser uma alternativa para quem quer investir em um bom negócio. Mas também pode representar uma cilada para quem não estiver preparado para inovar e enfrentar a concorrência. A advertência é do coordenador da Cadeia Pet, do Sebrae em São Paulo, Ricardo Borghersi Calil. “Nas palestras aos futuros empreendedores, eu sempre pergunto como ele mostrará que o seu negócio é melhor do que o da concorrência. Há bairros com dezenas de petshops em São Paulo. É preciso começar com um diferencial. Para quem já tem o negócio, o conselho é inovar”, afirma Calil.

Ele salienta também a importância do relacionamento entre as pequenas empresas e seus clientes para o sucesso do negócio. “Hoje praticamente todas as empresas têm os mesmo produtos. O que pode ajudá-las na diferenciação é o relacionamento que com os clientes”, destaca o especialista do Sebrae.

Encontros com empreendedores
Um dos projetos da instituição para apoiar o empreendedor na hora de abrir um negócio neste segmento ou ajudá-lo a inovar na empresa é a série de encontros Como Empreender para o Sucesso do Negócio PET, realizado em parceria com o Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV).

O primeiro evento aconteceu no final de agosto, em Osasco. O próximo será realizado em novembro na capital do estado. Segundo Calil, os encontros levam informações que ajudem a orientar os empresários. “Abordamos temas como tributação, legislação trabalhista, marketing, dentre outros assunto”, enumera.

O Sebrae em São Paulo tem ainda dois programas para o segmento: Negócio a Negócio PET, um diagnóstico específico que aponta que melhorias devem ser implementadas no negócio, e o Inova Loja, que oferece por três apostilas que ajudam o empreendedor a trocar informações com consultores do Sebrae em diversos temas, como fachada de loja, vitrine e estoque. Para quem quer montar um negócio pet, o Sebrae em São Paulo ainda disponibiliza em seu site, o Comece Certo.

O Sebrae em São Paulo também terá um estande na PET South America , a principal feira do segmento prevista para o período entre 16 e 18 de outubro, em São Paulo. A instituição realizará seis palestras durante os três dias de evento. “Abordaremos temas como administração competitiva, inovação, qualidade no atendimento, fluxo de caixa, processos jurídicos”, afirma Calil. O Sebrae em São Paulo também apoiará a participação de 20 micro e pequenas empresas do segmento na feira. Em 2011, a PET South America registrou 200 expositores e 20 mil visitantes.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

  
  

Publicado por em

Valéria

Valéria

03/10/2012 10:41:30
Sou a favor que os pets recebam tratamento diferenciado e que invistam nesse mercado, pois os meus são como membros da família. Agora, comercializar animais isto eu acho um absurdo com tantos abandonados pelas ruas..Quer um cão? Adote!

Jotas

Jotas

03/10/2012 09:15:52
O Brasil sempre é um dos líderes quando se trata deste tipo de idiotice. Por exemplo, somos um dos campeões mundiais no consumo de refrigerantes...

Carlos

Carlos

03/10/2012 09:09:16
O mercado pet deve ser taxado para financiar cuidados de animais abandonados e não deixar essa fatura na conta do SUS e das Prefeituras, como vem acontecendo sistematicamente no estado de São Paulo.