Tubarões ganham proteção extra no Brasil contra caça predatória

O governo federal publicou uma Instrução Normativa Interministerial que proíbe a prática do finning no país, atividade que consiste na retirada das barbatanas e nadadeiras de tubarões e arraias, jogando a carcaça no mar

  
  

O governo federal publicou uma Instrução Normativa Interministerial que proíbe a prática do finning no país, atividade que consiste na retirada das barbatanas e nadadeiras de tubarões e arraias, jogando a carcaça no mar.

A determinação ainda obriga os pescadores a desembarcarem os animais inteiros, o que permite saber se a caça está dentro dos padrões permitidos. O Ibama deve definir os procedimentos de fiscalização e controle em até 90 dias.

O finning é um dos principais responsáveis pela diminuição das espécies populações de tubarões e arraias em todo o mundo.

A prática é mais predatória que a caça convencional, pois permite que animais muito jovens ou fêmeas grávidas sejam abatidos sem que a fiscalização possa identificar as irregularidades.

Como as barbatanas ocupam menos espaço nos navios, a técnica também permite recolher um número muito maior de presas.

No caso dos tubarões, as barbatanas se tornaram especialmente valiosas com a ascensão de uma nova elite na China. Nos grandes banquetes ou em reuniões de negócios, servir a "iguaria" é considerado sinal de prestígio.

Apesar do medo cultivado por certos filmes e histórias de terror, os animais são cruciais para a manutenção dos biomas marinhos, já que estão no topo da cadeia alimentar e regulam a população de outras espécies.

Eles também estão entre os favoritos dos mergulhadores para observação, mas é cada vez mais difícil encontrá-los em seu habitat natural.

Fonte: Mergulho Scuba

  
  

Publicado por em