Metade da comida produzida no mundo vai parar no lixo, aponta relatório internacional

O documento aponta que dos quatro bilhões de toneladas de alimentos produzidos anualmente, dois bilhões vão para o lixo. Entre os principais motivos para esta realidade, estão as condições inadequadas de armazenamento e prazos de validades rigorosos

  
  
A instituição pontuou alguns motivos para esta realidade, tais como as condições inadequadas de armazenamento e a adoção de prazos de validade demasiadamente rigorosos

A organização britânica Institution of Mechanical Engineers (IMechE) lançou recentemente o relatório Global Food; Waste not, Want not (Alimentos Globais; Não Desperdice, Não Queira). O documento aponta que dos cerca de quatro bilhões de toneladas de alimentos produzidos anualmente no mundo, dois bilhões vão para o lixo. A instituição pontuou alguns motivos para esta realidade, tais como as condições inadequadas de armazenamento e a adoção de prazos de validade demasiadamente rigorosos.

De acordo com o relatório, o desperdício de alimentos causa impactos diretos em recursos utilizados durante sua produção, como nas áreas para agricultura, na água e na energia. Os recursos hídricos, por exemplo, estão sendo disperdiçados em aproximadamente 550 bilhões de metros cúbicos.

Caso a situação se agrave, o consumo de água no mundo chegará a até 13 trilhões de metros cúbicos por ano em 2050 devido ao crescimento da demanda para produção de alimentos. Isso representa até 3,5 vezes o total de água consumido atualmente pela humanidade e gera o temor de mais escassez do recurso no futuro.

O documento utilizou a projeção da ONU que prevê que, até 2075, a população mundial deva chegar a 9,5 bilhões de pessoas, no sentido de alertar a necessidade de adotar uma estratégia para combater o desperdício de alimentos.

"As razões desta situação variam das técnicas insatisfatórias de engenharia e agricultura à infraestrutura inadequada de transporte e armazenamento, passando pela exigência feita pelos supermercados de que os produtos sejam visualmente perfeitos e pelas promoções de 'compre um, leve outro grátis', que incentivam os consumidores a levar para casa mais do que precisam", destacou à BBC Brasil, o diretor de energia e meio ambiente da IMechE, Tim Fox.

Fonte: EcoD

  
  

Publicado por em