Viaje quase de graça com Milhas Aéreas

Notícias > Ambiente > Nosso Planeta > 

A biossegurança do planeta pode estar nas mãos do governo brasileiro

Hoje iniciam as primeiras negociações da 3ª Reunião das Partes do Protocolo de Cartagena (MOP), que discutirá a biossegurança global relacionada ao transporte internacional de OVMs (Organismos Vivos Modificados). Os países membros aguardam a decisão d

13 de Março de 2006.
Publicado por Equipe EcoViagem  

Hoje iniciam as primeiras negociações da 3ª Reunião das Partes do Protocolo de Cartagena (MOP), que discutirá a biossegurança global relacionada ao transporte internacional de OVMs (Organismos Vivos Modificados).

Os países membros aguardam a decisão do Brasil, que ainda não se posicionou sobre a polêmica expressão “contém” ou “pode conter” OGMs, para definir o futuro do comércio global de transgênicos.

A obrigatoriedade da expressão “contém” permite uma identificação clara e precisa dos eventos de OVMs, o que garante uma política global de biossegurança e direito à informação.

“Estamos vivendo uma situação bastante preocupante, uma vez que, no início do encontro, o governo brasileiro, anfitrião da reunião, ainda não apresentou sua posição à sociedade civil brasileira e aos outros países membros desse protocolo internacional”, disse Gabriela Couto, bióloga, coordenadora da campanha de Engenharia Genética do Greenpeace.

“Hoje a sociedade civil do mundo todo clama ao presidente Lula que garanta o consenso e tome posição favorável pela proteção da biodiversidade do planeta e pela soberania alimentar dos povos”, completou.

Desde a semana passada, ONGs brasileiras e internacionais estão divulgando ciberação direcionada ao presidente Lula, exigindo que ele defenda o avanço das negociações do Protocolo de Cartagena e garanta a proteção da biodiversidade e soberania dos povos. Já são mais de 3 mil e-mails enviados até o momento.

Na reunião passada, em 2005, o Brasil, junto com a Nova Zelândia, bloqueou um texto final de compromisso de todas as partes, impedindo o consenso em relação ao nível de detalhamento das informações das cargas transgênicas comercializadas internacionalmente.

O poderoso grupo composto pela indústria de biotecnologia e traders, em aliança com os Estados Unidos, Canadá e Argentina, foi responsável pelo forte lobby contrário à criação dessas regras, influenciando e impedindo que os países membros do Protocolo chegassem a um consenso quanto à necessidade de identificação de OGMs.

“O que está em discussão neste momento é a posição do governo brasileiro: ou ele está do lado da biossegurança e dos países em desenvolvimento, ou ele fecha com as empresas de biotecnologia e dos produtores de transgênicos ”, disse Gabriela.

“E este é o momento em que devemos impedir que nosso meio ambiente e alimentos continuem a ser contaminados indiscriminadamente por transgênicos”, completou.

Na semana que antecedeu a reunião, o Greenpeace e o GeneWatch apresentaram o primeiro relatório global sobre contaminação do meio ambiente por organismos geneticamente modificados (OGMs), que revelou um cenário alarmante de cultivo e comércio ilegal de transgênicos pelo mundo.

Segundo o relatório, o número de países afetados é o dobro daqueles que permitem oficialmente o cultivo de transgênicos. Só em 2005 foram registradas ocorrências em 11 países, incluindo alguns que supostamente possuem um sistema de controle rígido, como o Reino Unido.

Fonte Greenpeace

Del Valle Editoria
Contato vininha@vininha.com

Compartilhar nas Redes Sociais

Comentários


 

Veja também

Brasil é lider mundial em projetos de créditos de carbonoProtocolo de Kyoto sai fortalecido de Conferência sobre Mudanças Climáticas

 

editar    editar    editar    55 visitas    0 comentários