Notícias > Ambiente > Nosso Planeta > 

Ano Polar Internacional começa com foco nas mudanças climáticas

Aida Feitosa Começa nesta quinta-feira (1º) o quarto Ano Polar Internacional (API). Até março de 2009, cientistas de todo o mundo estarão envolvidos em um programa de cooperação científica interna

1 de Março de 2007.
Publicado por myk  

Aida Feitosa

Começa nesta quinta-feira (1º) o quarto Ano Polar Internacional (API). Até março de 2009, cientistas de todo o mundo estarão envolvidos em um programa de cooperação científica internacional para estudo do Ártico e da Antártica, com foco nas mudanças climáticas.

O lançamento no Brasil será nesta quinta-feira, às 14h, no Ministério da Ciência e Tecnologia, com transmissão ao vivo, em teleconferência, da Antártica. O secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, João Paulo Capobianco, participará do evento. Para comemorar a data será realizada, no hall de entrada do Ministério do Meio Ambiente, uma exposição sobre a região antártica e exibido o vídeo "Brasil na Antártica".

O envolvimento do Brasil no API será realizado no âmbito do Programa Antártico Brasileiro, vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT). Os projetos brasileiros, em cooperação com outros países, envolverão: estudos da atmosfera e sua conexão com a América do Sul; impacto do clima espacial na atmosfera polar e influência das correntes oceânicas provenientes da Antártica na plataforma da América do Sul, em especial na costa brasileira.

Também serão estudadas as alterações na massa de gelo da Península Antártica e seus conseqüentes impactos nos ecossistemas terrestres e marinhos; biodiversidade molecular; e ecologia microbiana. Um dos grandes projetos do API que conta com a participação brasileira é o Censo de Vida Marinha Antártica, que faz parte do maior inventário de espécies marinhas já realizado.

Segundo a coordenadora do grupo de avaliação ambiental do Programa Antártico Brasileiro, Tânia Brito, estudar o que acontece na Antártica é fundamental para entender as mudanças em curso no mundo. "A região é o refrigerador do planeta. É na Antártica que são formadas as correntes marítimas e atmosféricas que vão influenciar outras regiões". Tânia destaca ainda que com o estudo do gelo da região, cuja espessura em algumas áreas é de quase cinco mil metros, pode-se conhecer as alterações climáticas nos últimos milênios e compará-las com as atuais. "O gelo é o melhor arquivo da história climática do planeta", explica.

Nos últimos quatro anos, o Ministério do Meio Ambiente, em parceria com o MCT, induziu e financiou o projeto Mudanças Ambientais na Antártica, que investigou os reflexos das alterações ambientais globais percebidas na região e seu impacto no território brasileiro. Esse trabalho envolveu centenas de pesquisadores do Brasil.

O Ano Polar Internacional (API) terá participação da comunidade científica mundial: 50 mil cientistas de 63 países, envolvidos em 227 projetos, concentrando esforços para compreender as implicações das mudanças ambientais percebidas na Antártica e no Ártico e sua importância ambiental e econômica para o planeta.

Organizado pelo Conselho Internacional para Ciência e pela Organização Meteorológica Mundial, o lançamento mundial será em Paris, França.

Fonte: MInistério do Meio Ambiente

Compartilhar nas Redes Sociais

Comentários


 

Veja também

Para especialista, relação do clima com economia continua sem soluçãoPesquisa brasileira sobre mudanças climáticas precedeu relatório mundial

 

editar    editar    editar    105 visitas    0 comentários