India mostra liderança na COP 11

Em uma clara demonstração de lição aprendida em casa, o governo da Índia anunciou hoje (16/10) em Hyderabad durante a COP 11 a concessão de 50 milhões de dólares para a conservação da diversidade biológica

  
  

Em uma clara demonstração de lição aprendida em casa, o governo da Índia anunciou hoje (16/10) em Hyderabad durante a COP 11 a concessão de 50 milhões de dólares para a conservação da diversidade biológica. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro Manmohan Singh durante sessão solene na Conferência das Partes da Convenção de Diversidade Biológica (CDB). E o premiê foi além junto ao segmento de alto nível da conferência: fora reforçar o mecanismo institucional para a conservação da biodiversidade no país, ele se comprometeu a ajudar outras nações emergentes e a trabalhar com todas as partes para chegar a um consenso sobre a diversidade biológica e ao crescimento sustentável.

A decisão do governo indiano de mobilizar recursos financeiros, técnicos e humanos para a conservação da biodiversidade e redução da pobreza, segundo o secretário executivo da CDB, o brasileiro Bráulio Dias Ferreira, faz da Índia um exemplo de inspiração a ser seguido. “Aproveito esta oportunidade para voltar a emitir este apelo de contribuição e esperamos poder anunciar uma lista crescente dos campeões da biodiversidade”, exaltou Ferreira, para quem a biodiversidade precisa ser vista como uma oportunidade de investimento e não um gasto, já que é a riqueza natural ou o capital de nossas nações.

De acordo com a secretária geral do WWF-Brasil, Maria Cecília Wey de Brito, é preciso que os países concordem em aumentar o financiamento para a biodiversidade, e em desenvolver mecanismos financeiros novos e adicionais que possam apoiar a realização das 20 Metas de Aichi até 2020. “Os custos de implementação do plano estratégico para atingir as metas de Aichi não foram totalmente definidos, mas estudos comissionados pelo Reino Unido estimam que sejam necessários entre US$ 150 e US$ 430 bilhões ao ano, valores altos mas que nem se comparam aos US$ 750 bilhões ao ano que os governos tem gasto em subsídios para a indústria dos combustíveis fósseis. É preciso que seja alterada esta lógica da sociedade atual", afirmou Maria Cecília.

Conservando a biodiversidade oceânica
As negociações sobre a proteção de áreas oceânicas importantes também estão enfrentando dificuldades, com um bloco de nações que se opõem ao 'aval' de relatórios de identificação de áreas importantes para a conservação em áreas oceânicas além das jurisdições nacionais.

"Mais de 50% dos oceanos do mundo estão fora das fronteiras nacionais. O WWF incentiva delegados da CDB a se comprometerem a identificar claramente áreas oceânicas além das jurisdições nacionais", disse Nanie Ratsifandrihamanana, diretora de conservação do WWF Madagascar.

"O estabelecimento de áreas marinhas protegidas são parte de um amplo pacote de soluções que podem ajudar governos e empresas a salvaguardar enormes benefícios ecológicos, sociais e econômicos aos oceanos", acrescentou a diretora.

Coletiva de imprensa
17 de outubro, das 11h30 às 12h, Media Centre, Hitex 3, Centro Internacional de Convenções de Hyderabad
Financiamento sustentável e áreas protegidas: a verdadeira prosperidade não pode ser alcançada sem cuidados com os sistemas vivos do nosso planeta - florestas, rios, oceanos - que são a base da nossa economia. A CDB (Convenção de Diversidade Biológica) tem promovido soluções inovadoras de parcerias e colaboração para a sustentabilidade financeira da biodiversidade e os países da Amazônia, desenvolvido iniciativas para a indução da cooperação e da sustentabilidade financeira na região como formas de se atingir as Metas de Aichi. Um bom exemplo desse tipo de iniciativa é o Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa).
Lasse Gustavson – diretor executivo de conservação do WWF
Charles Besancon – CBD Life Web
Julia Miranda – coordenadora dos Parques Nacionais da Colômbia
Francisco Gaetani - secretario executivo do Ministério do Meio Ambiente do Brasil
Manuel Pulgar - ministro do Meio Ambiente do Peru

Eventos paralelos
• 17 de outubro, 13h15-14h45, sala 1.08, Piso 1
Compromisso com a Amazônia: Arpa para a Vida - uma parceria público-privada para garantir o futuro da maior floresta tropical do mundo tropical. 2012 marca o 10 º aniversário do lançamento do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa). O evento vai destacar o história do premiado programa para a conservação da biodiversidade na amazônia, a gestão de áreas protegidas, além da contribuição da redução de emissões de carbono por meio da diminuição do desmatamento. O evento apresentará igualmente o Arpa como um mecanismo de financiamento e apoio à estratégia da CDB para mobilização de recursos e exploração de uma nova tendência de modelos de fundos fiduciários. O Arpa visa garantir a proteção da biodiversidade permanente na Amazônia brasileira.

• 17 de outubro, 18h15-19h45, sala 1.07 - Piso 1
Organizado pelo Autoridade Nacional de Conservação do Tigre (Índia) e WWF, o evento aborda os progressos realizados pelos países no entorno da faixa das reservas de preservação da espécie, com um foco especial sobre a Índia, durante a última década.

Fonte: WWF

  
  

Publicado por em