Verão é época de exercícios ao ar livre

Férias, sol intenso e temperaturas elevadas são um convite à exposição do corpo e, também, à prática de atividades físicas. Nem mesmo as pessoas mais sedentárias ficam imunes aos exercícios durante o verão. Entretanto, é necessário ter cuidados

  
  
Nem mesmo as pessoas mais sedentárias ficam imunes aos exercícios durante o verão. Entretanto, é necessário ter cuidados

Férias, sol intenso e temperaturas elevadas são um convite à exposição do corpo e, também, à prática de atividades físicas. Nem mesmo as pessoas mais sedentárias ficam imunes aos exercícios durante o verão. Entretanto, é necessário ter cuidados.

O primeiro deles, segundo Luciene Diniz, educadora física e professora da Universidade Cidade de São Paulo (Unicid), é fazer uma avaliação física e médica. “Respeita-se, dessa forma, a individualidade biológica, que deve atender ao perfil e aos objetivos de cada um.”

Para ela, o verão estimula os sedentários e oferece mais opções às pessoas que já treinam com regularidade. “Aqueles que não praticam exercícios ou que estão parados há muito tempo, devem observar alguns fatores importantes no início dos treinos, que é a característica progressiva. Por exemplo, ao optar por uma caminhada, duração, intensidade e frequência devem estar equilibradas.”

Como começar?
A especialista orienta a começar com um treino de adaptação, uma vez que o organismo precisa se condicionar. “O ideal são séries de curta duração com intensidade de baixa a moderada. Com o tempo, pode-se alterar um desses fatores. A quantidade de treinos na semana (frequência) também respeita tal aumento progressivo. No início, alternam-se dias de treino com de descanso”.

Luciene explica que a prática de exercícios físicos deve ser regular e com duração mínima de 30 minutos. “Sem a regularidade, torna-se muito difícil conquistar o almejado condicionamento físico. A frequência de três vezes por semana, com intervalo entre as sessões de 24 a 48 horas, é interessante para os iniciantes.”

A intensidade do exercício pode variar de 50% a 90% da frequência cardíaca máxima (própria para a idade), de acordo com o nível do praticante e seus objetivos. Nesse caso, também é preciso a avaliação de um educador físico.

“Com boa orientação, em quatro semanas podem-se obter resultados significativos na adaptação e progressão dos treinos. Aqueles que já o fazem, podem turbinar suas sessões. Além de optar por variações nas suas atividades, podem escolher novos ambientes e aumentar a intensidade dos exercícios.”

Qual é o melhor exercício?
Com relação ao melhor exercício ao ar livre, tudo depende dos objetivos. “As pessoas que desejam perder peso devem optar por exercícios aeróbicos, que estimulam a utilização das gorduras, tão indesejáveis nessa época. A caminhada e a corrida são dois exemplos para um perfil mais aeróbico. Elas devem ter longa duração, mas com baixa intensidade.”

No verão, os jogos, esportes em geral e brincadeiras são executados com tal perfil. É natural, em um dia ensolarado, as pessoas ficarem horas nas praças ou clubes praticando tais atividades.

Além das opções já citadas, no verão os esportes de aventura ganham força. “Porém, é necessário cuidado, pois até as trilhas, que são vista por alguns como simples, são classificadas por grau de dificuldade. Muitos desses esportes são de alta intensidade, por isso os iniciantes devem ficar atentos quanto às suas escolhas.”

A prática de exercício ao ar livre também oferece opções como artes marciais ou até técnicas circenses. “É relevante a escolha de atividades que ofereçam prazer e combinem com seu estilo de vida, pois assim a prática se torna mais fácil e estimula a adesão ao exercício por todo o ano.”

Benefícios
Os exercícios oferecem benefícios que podem ser observados ao final do treino e em longo prazo. Luciene explica que as alterações provocadas, em curto e longo prazo, protegem contra o risco de doenças cardiovasculares, hipertensão arterial, diabetes mellitus tipo II, alterações nos níveis plasmáticos de triglicerídeos, fortalece músculos e ossos e controla o peso. Além disso, auxiliam nos quadros de estresses, melhoram a função imunológica, aumentam o HDL (considerado o bom colesterol) e melhoram fatores psicológicos, o que proporciona aos praticantes a sensação de prazer e bem-estar.

Cuidados
Ainda assim, as atividades físicas, principalmente durante o verão, devem ser praticadas com cautela. “Muitos passam mal por levar o exercício ao extremo ou por não levar em consideração algumas regras essenciais para dias ensolarados, como a hidratação. A ingestão de água antes, durante e depois das atividades físicas é de extrema importância devido às altas temperaturas. O corpo perde mais água e sais minerais, o que aumenta o risco de tonturas e mal-estar. O cuidado com roupas e calçados também é crucial. Devem-se usar modelos confortáveis, tecidos leves e um bom tênis”, diz a especialista.

Outro fator importante é o horário. Os exercícios ao ar livre não devem ser realizados a qualquer hora. “O mais adequado é no início da manhã ou no final da tarde, além do constante uso do protetor solar. As restrições impostas são as mesmas de outras atividades físicas e pessoas com qualquer doença ou riscos iminentes devem ter autorização e acompanhamento médico.”

Na estação do sol, as atividades ao ar livre não são constituídas apenas de exercícios. “O lazer também promove resultados físicos e mentais positivos. Então, jogar aquela bola, brincar com raquetes no parque ou passear com seu cachorro podem proporcionar cuidados com o corpo e a mente. Aproveite a energia do verão, saia de casa e divirta-se!”

Fonte: Envolverde

  
  

Publicado por em