Obras do governo estão descaracterizando o vilarejo de Jericoacoara

Por: Alex Furtado Ibama, Bird, Governo Estadual, Municipal e Federal estão envolvidos. Até meados do ano passado Jericoacoara era uma área de proteção ambiental, existiam leis rigorosas que permitiram que o autêntico vilarejo de pescadores se mantiv

  
  

Por: Alex Furtado

Ibama, Bird, Governo Estadual, Municipal e Federal estão envolvidos.

Até meados do ano passado Jericoacoara era uma área de proteção ambiental, existiam leis rigorosas que permitiram que o autêntico vilarejo de pescadores se mantivesse protegido pelos últimos dez anos. Não era permitida a construção de novas pousadas o que fez com que fosse limitado o número de visitantes, não era permitido a construção de piscinas já que há pouca água, tampouco era permitido alterar as características de construção, limitando-as a um piso e visando a não verticalização descaracterizando a vila.

Mas, desde o ano passado tudo mudou, a diretoria estadual do IBAMA do Ceará, sem ter um estudo técnico, liberou algumas leis que protegiam este paraíso, incluindo a liberação de construção de dois pisos, novos hotéis, piscinas e etc.

A opinião pública foi contra e parece que para gerar uma cortina de fumaça o Ibama decidiu transformar o entorno de Jericoacoara em Parque Nacional; Lembra-se que a vila onde estão as maiores agressões está fora do Parque. Este novo Parque Nacional que nasceu sem a mínima consulta da comunidade acaba protegendo apenas dunas móveis que não sofrem agressão, impossível extrair madeira porque não há, impossível construir porque as dunas cobrem, impossível retirar areia porque não serve para construção. A nascente destas dunas móveis, que é o que gera esta beleza natural, não está na área do Parque.

A comunidade de Jericoacoara não é contra o Parque Nacional, mas não aprova que tal parque seja criado como manobra política para acabar com este paraíso que é a vila de pescadores e seu entorno; Um exemplo prático é que poucos meses depois da área ser denominada parque nacional o Ibama deixou investidores aterrarem um mangue em área pública para que seu futuro hospede não pise no barro.

Desde a criação deste Parque várias obras agressivas de dois pisos foram construídas. Investidores e especuladores atraídos pela mudança de normas do próprio Ibama chegaram como formigas. Parte dos terrenos da vila já foram vendidos por valores milionários e um projeto de urbanização de extremo mau gosto está começando a descaracterizar completamente o vilarejo.

Milhões de dólares foram liberados pelo BIRD, sem a consciência das conseqüências maléficas que esta verba vai gerar, as ruas de areia se transformarão em avenidas, calçadas serão espalhadas pela vila, vai ser construído um terceiro posto de saúde sem médico, entre outros absurdos como fazer calçadas e depois quebrá-las para fazer um saneamento. Várias máquinas já chegaram e estão terraplenando um dos últimos paraísos do mundo. Dentro de pouco tempo, se não houver uma mobilização pública em nível nacional o vilarejo original de pescadores se transformará em outra grande obra pública abandonada no nordeste.

Jericoacoara pede socorro para que as obras parem o quanto antes, Jeri não quer ser destruída como a maioria das praias já foi, o povo quer manter sua integridade, seus costumes, seu respeito e seu turismo ecológico e sadio.

O grito desta comunidade está sendo sufocado por manobras políticas que visam o interesse do bolso de poucos.

Socorro, a qualquer um que ainda não esteja corrompido. Mais informações no e-mail para sosjeri@terra.com.br. Veja as fotos destas agressões no site www.sosjeri.com.br.

  
  

Publicado por em