Paraná tem maior devastação, diz a ONG SOS Mata Atlântica

O maior desmatamento identificado pela ONG SOS Mata Atlântica em seus 18 anos de história está no Paraná, na cidade de Rio Bonito do Iguaçu, centro-oeste do estado. O foco da devastação é a Fazenda Araupel, comprada pelo governo federal em 2004, para refo

  
  

O maior desmatamento identificado pela ONG SOS Mata Atlântica em seus 18 anos de história está no Paraná, na cidade de Rio Bonito do Iguaçu, centro-oeste do estado. O foco da devastação é a Fazenda Araupel, comprada pelo governo federal em 2004, para reforma agrária.

Mais de 10 mil hectares de mata nativa teriam sido dizimadas entre 1996 e 2002, segundo a Faep - Federação de Agricultura do Paraná, nos dois acampamentos do MST - Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra na localidade, Ireno Alves e Magno Freire.

No entanto, o diretor de relações institucionais da SOS Mata Atlântica, Mário Mantovani, não vê o movimento como culpado pela devastação.

“O MST foi a mão do gato no teto de zinco quente. O Incra - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária foi conivente com a depredação da área, a empresa refém dos governos federal e estadual. Foi uma seqüência de crimes acobertados pela incompetência, ganância e omissão.”

A compra da Fazenda Araupel para o assentamento de famílias sem-terra é um dos principais pontos de investigação da CPI da Terra, em tramitação no Congresso Nacional.

“Temos um governo que coloca dificuldades a toda hora para a expansão da agricultura, tendo como argumento a questão ambiental, Esse governo paga R$ 75 milhões em uma área que já foi vítima de um massacre ambiental por parte do MST”, diz o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), presidente da CPI.

Mantovani, que participou de uma conversa on-line com jornalistas no site Comunique-se , também lembrou que o Paraná liderou o ranking da devastação no Brasil entre 1995 e 2000 e que a devastação da Mata Atlântica continua no estado. “Resta no Paraná apenas 20% da cobertura original.”

A Fundação SOS Mata Atlântica , por meio de seu presidente, Roberto Klabin, lançou a campanha publicitária “Preservação da Mata Atlântica – Há 18 anos no nosso sangue”.

Segundo o diretor de Relações Institucionais da Fundação, a Mata Atlântica é hoje uma das florestas tropicais mais ameaçadas do mundo. Da área original de 1,36 milhão de quilômetros quadrados (15% do território nacional), só restam 7% intactos. Ele lembrou que o Projeto de Lei da Mata Atlântica (n.º 3.285/92) está tramitando no Congresso há 12 anos.

Fonte: Guilherme Voitch

  
  

Publicado por em