Pesquisador norte-americano contesta segurança de transgênicos

O pesquisador norte-americano Jeffrey M. Smith garantiu em audiência pública da Frente Parlamentar Mista de Biossegurança, que os alimentos geneticamente modificados não são seguros. `Eles podem levar a dezenas de efeitos colaterais imprevisíveis. Mui

  
  

O pesquisador norte-americano Jeffrey M. Smith garantiu em audiência pública da Frente Parlamentar Mista de Biossegurança, que os alimentos geneticamente modificados não são seguros.

`Eles podem levar a dezenas de efeitos colaterais imprevisíveis. Muitas das premissas usadas pelas empresas de biotecnologia como base para suas alegações de segurança têm se provado incorretas ou ainda não foram testadas`, afirma.

As informações estão no livro do pesquisador `Seeds of Deception`, publicado no mês passado e que será traduzido para o português e lançado em breve no Brasil.

TESTES

Smith lembrou que há um grande perigo no fato de ter havido poucos testes nos alimentos geneticamente modificados. `A situação típica é que a indústria adultere seus testes de segurança para se evitar encontrar problemas`, acusou.

Segundo ele, os estudos independentes que foram mais a fundo mostram sérios danos a animais de laboratório.O pesquisador disse que aproximadamente 100 pessoas morreram e 5 a 10 mil ficaram seriamente doentes ao consumirem um suplemento alimentar que continha o aminoácido essencial L-triptófano modificado geneticamente.

Smith acrescenta que a marca tinha contaminantes minúsculos, mas, mortais que seriam, no entanto, facilmente aprovados, com base na legislação atual.

`Se a doença criada por ele não tivesse características como surgimento rápido, crise aguda e efeitos raros, o suplemento talvez nunca tivesse sido detectado como a causa`, afirma. Ele disse ainda que a indústria e o governo encobriram os fatos e desviaram a culpa.

CRISE DE INFORMAÇÃO

Segundo Jeffrey Smith, existe uma crise na informação sobre os alimentos geneticamente modificados. `A maioria da população não está consciente do que consome. Existe uma pressão na mídia e na política dos governos`, disse ele.

De acordo com o pesquisador, as empresas de biotecnologia investem 50 milhões de dólares por ano para convencer a população sobre as vantagens dos alimentos geneticamente modificados. Ele disse também que a grande imprensa americana não faz cobertura sobre o assunto.

RELAÇÕES COM GOVERNO

Smith afirmou que pessoas importantes do governo Clinton e do governo Bush têm relacionamentos com as empresas de biotecnologia. Em 2001, elas investiram, segundo ele, cerca de 150 milhões de dólares em lobby junto ao governo americano.

Jeffrey Smith disse que a Empresa Monsanto é conhecida nos Estados Unidos pela maneira de manipular dados de pesquisas. Ainda de acordo com Smith, a empresa já foi condenada por invadir propriedade, negligência, supressão da verdade e ultraje.

DEBATE

Um dos autores para realização da reunião, o coordenador da Frente, deputado João Alfredo (PT-CE), quer fortalecer a discussão do assunto no Legislativo.

`A Frente quer a discussão voltada para biossegurança, princípio da precaução, defesa da ética, responsabilidade e aspectos socioambientais, além da soberania nacional`.

A outra autora do debate, deputada Janete Capiberibe (PSB-AP), afirma que quando a população souber dos danos causados pelos produtos transgênicos vai reagir contra sua produção e comercialização.

Fonte: Agência Câmara

  
  

Publicado por em