Pneumonia atípica pode ter origem nos pássaros

A epidemia global de pneumonia pode estar sendo causada por uma mutação de um vírus que causa bronquite em pássaros. Segundo o vice-diretor de doenças virais do Centro de Controle de Doenças da China, Bi Shengli, as primeiras pessoas infectadas pela S

  
  

A epidemia global de pneumonia pode estar sendo causada por uma mutação de um vírus que causa bronquite em pássaros.

Segundo o vice-diretor de doenças virais do Centro de Controle de Doenças da China, Bi Shengli, as primeiras pessoas infectadas pela Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS, em inglês) tinham tido contato próximo e contínuo com galinhas, patos, pombas e corujas.

A informação foi divulgada no site da revista britânica `New Scientist `.Uma equipe de pesquisadores do Hospital Mont Sinai em Toronto, no Canadá, conseguiu isolar um coronavírus (tipo de vírus que causa doenças respiratórias em vertebrados), apontado por pesquisadores americanos como um possível causador da pneumonia, em cinco pacientes da cidade.

Os vírus encontrados eram geneticamente iguais em todos os doentes e idênticos também aos isolados em casos de Hong Kong e da Tailândia.

Estudo publicado no `New England Journal of Medicine `apontou que a seqüência genética do vírus encontrado não era parecida com nenhuma das três famílias de coronavírus conhecidas.

Seu seqüenciamento genético parece ser mais parecido com o do vírus causador da bronquite infecciosa em aves, de acordo com dados moleculares preliminares obtidos por Joseph DeRisi na Universidade da Califórnia, em São Francisco. Ele também é similar ao coronavírus bovino, que pode causar infecções nos intestinos de humanos.

Recentemente foi descoberto que mutações desse virus foram os causadores de pneumonia aguda no gado.Os virólogos especulam agora sobre a possibilidade do patógeno do SARS ser um recombinante da bronquite em pássaros com outro tipo de coronavírus, que são conhecidos por recombinar freqüentemente seu RNA.

A epidemia de pneumonia aguda continua causando grande preocupação internacional. Setenta e oito pessoas já morreram e mais de 2.300 foram infectadas em quase 23 países. Países fortemente afetados, como Hong Kong e Canadá, instituiram quarentenas forçadas para pessoas expostas à doença.

Não há ainda nenhum caso confirmado da doença na América Latina embora uma jornalista britânica esteja internada no hospital Albert Einstein, em São Paulo, com sintomas suspeitos.

Na quinta-feira (3/3) a China permitiu a entrada de uma equipe da OMS - Organização Mundial de Saúde na província de Guangdong que avaliará a extensão da doença e os tratamentos que estão sendo aplicados.

Fonte: Renctas

  
  

Publicado por em