Programa Fogo inicia atividades em Mato Grosso, Acre e Pará

O Programa Fogo: Amazônia Encontrando Soluções, iniciou suas atividades desde o início da semana passada no estado do Mato Grosso. Anteriormente conhecido como Fogo: Emergência Crônica, o programa, financiado pelo Ministério das Relações Exteriores da Itá

  
  

O Programa "Fogo: Amazônia Encontrando Soluções", iniciou suas atividades desde o início da semana passada no estado do Mato Grosso. Anteriormente conhecido como "Fogo: Emergência Crônica", o programa, financiado pelo Ministério das Relações Exteriores da Itália e executado em parceria pelo ICV - Instituto Centro de Vida, também atua nos estados do Acre e Pará.

Foram realizadas reuniões com sindicatos rurais, instituições públicas das áreas de agricultura e meio ambiente e pecuaristas nos municípios de Alta Floresta (MT), Guarantã do Norte (MT) e Novo Mundo (MT). Na sexta-feira (2/5) as equipes estiveram em Carlinda (MT) e no sábado (3/5) em Paranaíta (MT).

O tema principal das reuniões é implantar o manejo sustentável de pastagens sem uso do fogo ou pastagem ecológica. O sistema dispensa adubos, defensivos agrícolas, desmatamentos, queimadas, aração e gradagem e garante um rebanho mais produtivo e dócil a um custo bem menor.

O Programa Fogo vai financiar unidades demonstrativas em pequenas propriedades de gado de leite em cada um destes municípios e prestar consultoria para os grandes pecuaristas.

As reuniões foram organizadas em parceria com os sindicatos rurais dos municípios, sendo que em Guarantã do Norte e Juína, o manejo de pastagens já foi implantado em grandes propriedades rurais de gado de corte. Em Guarantã, o próprio prefeito Lutero Siqueira tem experimentado o sistema no sítio Pôr do Sol de sua propriedade.

Segundo o engenheiro agrônomo e consultor do programa Fogo, Jurandir Melado, a participação e o interesse dos pecuaristas tem sido grande, já que os custos para manter as pastagens sadias tem sido cada vez maior.

"No sistema de pastagens ecológicas o custo é bem mais barato, os pastos não sofrem com a degradação e podem ser melhor utilizados pelo gado", explica.

A pastagem ecológica é caracterizada pela existência de variados tipos de forrageiras. O segredo está em dividir a área em muitos piquetes - no cerrado, pelos menos 40 - onde os animais pastarão em rodízio. Enquanto o gado ocupa um desses piquetes, onde permanece por pouco tempo, outros estão em repouso, recuperando seu vigor para voltarem a ser pastados.

Além disso, o animal não deve permanecer por mais de três dias em um só piquete, para que não venha a cortar mais de uma vez as mesmas forrageiras. Assim, o rebanho terá sempre alimentação de boa qualidade e com fartura. O método usa cercas elétricas para dividir os piquetes e chega a ser cinco vezes mais barata que a convencional.

PARÁ

No estado do Pará, o coordenador regional do Programa Fogo, José Virgílio Moura, estará acompanhando prefeitos do consórcio dos sete municípios alagados pelo rio Tocantins numa reunião do Programa Fogo na Embaixada da Itália em Brasília (DF) com o coordenador do programa, Franco Perlotto, e o diretor técnico, Sergio Henrique Guimarães. O consórcio foi o primeiro a assinar o protocolo de combate ao fogo no Ministério do Meio Ambiente em 2001. Cada município recebeu cursos de técnicas de combate ao fogo.

Para este ano, o Programa Fogo deverá trabalhar com técnicas de sustentabilidade no setor madeireiro, agropecuário e agricultura familiar.

"Somente novas tecnologias para o aumento da produtividade de forma sustentável, sem uso do fogo, vai frear esse processo", diz Virgílio.

ACRE

Na sexta-feira (02/5), o coordenador do Programa Fogo no Acre, Clovis Brasileiro, esteve reunido com produtores rurais, órgãos ambientais e de agricultura e com prefeituras para discutir ações em dois projetos: controle de queimadas urbanas em Rio Branco e de Brigadas Comunitárias nos municípios de Porto Acre e Bujarí.

Também será mantido o programa de manejo da pecuária sem fogo em Xapuri e Acrelândia, e implantado nos municípios de Plácido de Castro e Brasiléia. Bujarí e Porto Acre assinarão novos protocolos de combate ao fogo e Xapuri, Acrelândia, Assis Brasil, Epitaciolândia, Plácido de Castro, Brasiléia, Capixaba e Senador Guiomard terão os protocolos renovados.

Outras atividades do programa Fogo para este ano no Acre são:

-apoio aos sistemas agroflorestais no assentamento de Alcolbras em Capixaba;

-implantação de oficinas de artesanato em papel reciclado em Xapuri e Rio Branco;

-beneficiamento de polpas nativas no assentamento de Triunfo em Plácido de Castro.

Fonte: Instituto Centro de Vida

  
  

Publicado por em