Plástico Verde recebe certificação de pegada de carbono

O engajamento do consumidor visando a economia de baixo carbono é crucial

  
  

O plástico verde I’m green™, da Braskem, é o primeiro produto da indústria petroquímica brasileira a receber a certificação da pegada de carbono, iniciativa que nasceu na CTPIn (Comissão Técnica do Plano Indústria), do Ministério do Desenvolvimento da Indústria e do Comércio (MDIC), e que define e orienta ações para implementar a Política Nacional de Mudanças Climáticas em setores prioritários.

De acordo com a medição, realizada pela Carbon Trust e pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), o polietileno de origem renovável tem uma pegada de emissões negativa (-2,11 quilos de CO2 equivalente por quilo de produto), ou seja, ajuda a sequestrar o gás poluente da atmosfera.

A empresa participou voluntariamente da certificação com o objetivo de colaborar com a transparência de informações nas suas relações com clientes e estimular o uso dessa prática.

Para Jorge Soto, diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem, a iniciativa permite que a sociedade possa fazer suas escolhas de forma mais consciente, considerando os impactos do seu padrão de consumo nas mudanças climáticas.

“O engajamento do consumidor visando a economia de baixo carbono é crucial. Para tal, é muito importante dar-lhe informações confiáveis para que ele possa tomar uma decisão pró-sustentabilidade. Por isso, entendemos que um selo com o aval do governo, associado a outras instituições de reconhecimento internacional, pode ser uma adequada ferramenta”, diz. “Além disso, é uma forma de estimular o desenvolvimento de produtos de menor intensidade carbônica.”

O lançamento do novo Sistema ABNT de Medição e Certificação da Pegada de Carbono e Água de Produtos aconteceu na tarde de quarta-feira (6 de abril), em São Paulo, e teve a apresentação de estudos de caso das empresas participantes, entre elas a Braskem, maior petroquímica das Américas e líder mundial na produção de biopolímeros.

A Braskem tem uma estratégia forte em mudanças climáticas e vem reduzindo suas emissões GEE nas operações, ano a ano, assim como evoluindo no engajamento de cadeia, fornecedores e clientes, e também no desenvolvimento de produtos com menor pegada carbônica. Assim, o projeto traz uma oportunidade para demonstrar esses resultados e transformá-los em um diferencial competitivo para seus produtos.

Ao certificar o Plástico Verde, a companhia atua de acordo com a demanda empresarial, que solicita cada vez mais informações sobre emissões de gases do efeito estufa e sobre análise de ciclo de vida dos produtos.

“Como trabalhamos em um mercado global, o selo vai fortalecer a credibilidade da indústria brasileira no que diz respeito a impactos ambientais, abrindo novas possibilidades de negócios para os produtos nacionais que tenham esse diferencial competitivo”, afirma Alexandre Elias, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

Soluções de origem renovável

Contribuir com o lançamento do Sistema ABNT de Medição e Certificação da Pegada de Carbono e as iniciativas do MDIC está alinhado à estratégia de desenvolvimento sustentável da Braskem, que enxerga nos produtos químicos de origem renovável uma oportunidade de negócios – criando insumos de baixo impacto para produtos finais.

Polietileno (PE) é o plástico mais utilizado do mundo, e o I'm green™, apresentado em 2010 ao mercado, é uma alternativa mais sustentável, por ser feito a partir do etanol de cana-de-açúcar, ou seja, sua origem é 100% renovável. Atualmente a companhia tem capacidade para anualmente 200 mil toneladas do polietileno verde por ano.

Visite: www.revistaecotour.com.br

Fonte: Priscila Nishimori

  
  

Publicado por em