Programa Recicla Lâmpada tem lançamento marcado

Iniciativa pioneira no Brasil já se enquadra na nova Política Nacional de Resíduos Sólidos

  
  

A Associação dos Comerciantes de Materiais para Construção de Caxias do Sul (Acomac), com o apoio da Prefeitura de Caxias do Sul, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), e da empresa Apliquim Brasil Recicle, lança o programa "Recicla Lâmpada - Lâmpada no lixo nunca mais". O evento será realizado no dia 13 de junho, às 11h, no miniauditório da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC).

O objetivo da iniciativa é estimular empresas e consumidores a devolverem suas lâmpadas fluorescentes, após o uso, para as lojas associadas à Acomac. Essa atitude evita que as lâmpadas sejam descartadas no lixo comum, o que pode contaminar o meio ambiente, causando problemas de saúde na população. Essa contaminação se dá pelo mercúrio, um metal altamente tóxico e volátil que está contido nesse tipo de produto.

As lojas associadas à Acomac funcionarão como postos de coleta e destinarão as lâmpadas usadas à empresa Apliquim Brasil Recicle, responsável pela reciclagem dos componentes do resíduo e recuperação do mercúrio contido nas lâmpadas.

Caxias do Sul (RS) será a primeira cidade do País a implantar sistema de coleta de resíduo, com encaminhamento para descontaminação e reaproveitamento de seus componentes.

Política Nacional de Resíduos Sólidos
No dia 2 de agosto de 2010, foi sancionada a Pol&i acute;tica Nacional dos Resíduos Sólidos (lei 12.305/2010), que tem o objetivo de incentivar a reciclagem de lixo e o manejo correto de produtos usados com alto potencial de contaminação. Entre as regras da nova lei está a criação da "logística reversa", que obriga os fabricantes, distribuidores e vendedores a recolher os resíduos. A medida vale para materiais agrotóxicos, pilhas, baterias, pneus, óleos lubrificantes, lâmpadas e eletroeletrônicos. É nesse contexto que o Programa Recicla Lâmpada está inserido.

O objetivo das novas regras é estabelecer a responsabilidade compartilhada entre a sociedade , empresas, união, governos estaduais e prefeituras no manejo correto do lixo.

A lei proíbe ainda a criação de lixões onde os resíduos são lançados a céu aberto. Todas as prefeituras terão que construir aterros sanitários ambientalmente sustentáveis, onde só poderão ser depositados resíduos sem qualquer possibilidade de reaproveitamento.

Os perigos do descarte incorreto
Segundo o biólogo Eduardo Sebben, diretor superintendente da Apliquim Brasil Recicle, apesar das lâmpadas fluorescentes serem mais econômicas que as incandescentes, elas acabaram se tornando um grave problem a ambiental. "Atualmente são descartadas indevidamente mais de 150 milhões de lâmpadas no Brasil, contaminando a natureza com mercúrio, cujos efeitos tóxico e biocumulativo oferecem riscos à saúde pública e aos seres vivos", afirma.

O especialista explica que uma única lâmpada pode contaminar até 15 mil litros de água, o equivalente a uma piscina. "A solução é conscientizar a população de que não se pode jogar as lâmpadas no lixo nem em terrenos baldios. A atitude correta é devolvê-las às lojas conveniadas, para que ocorra sua descontaminação e rec iclagem, garantindo a sustentabilidade do processo", enfatiza.

O processo de reciclagem e descontaminação
Os processos de reciclagem das lâmpadas variam de acordo com o modelo do produto. Basicamente, separam-se os componentes de metal (terminais de alumínio, soquetes e estruturas metálicas), o vidro (em forma de tubo, ou outra), o pó fosfórico (pó branco contido no interior) e, principalmente, o mercúrio, que é extraído e recuperado em seu estado líquido elementar. Todos os processos ocorrem através de tecnologia avançada, sob circunstâncias especiais e em ambiente controlado.

Mario Guilherme Sebben, presidente da Apliquim Brasil Recicle, informa que, atualmente, o custo da reciclagem varia de R$ 1,00 a R$ 2,00 por lâmpada. No entanto, o consumidor deverá negociar o preço a ser pago diretamente com o fornecedor, já que o valor pode ser reduzido de acordo com a quantidade de lâmpadas adquiridas e, até mesmo, ser gratuito, conforme promoções e ofertas de cada loja.

"Em parceria com a Acomac e a Prefeitura de Caxias do Sul, vamos realizar uma experiência pioneira no Brasil, que pretendemos expandir para as principais cidades do Brasil, sempre junto às associações e organizações locais", informa Sebben.

O funcionamento da coleta nas lojas
As lojas associadas à Acomac possuem materiais publicitários que as identificam como pontos de coleta de lâmpadas fluorescentes usadas.

Ao serem entregues nas lojas, as lâmpadas são devidamente embaladas e estocadas em um local apropriado, para depois serem recolhidas pela Apliquim Brasil Recicle.

As empresas de Caxias do Sul que tiverem interesse em se tornar um ponto de coleta deve m entrar em contato com a Acomac pelo telefone (54) 3221.2997 ou pelo site www.acomaccaxias.com.br.

Fonte: Dinâmica Comunicação

  
  

Publicado por em