Recuperação da caatinga terá R$75,00 milhões

O MMA - Ministério do Meio Ambiente apresentou na quarta-feira (4/2), às 10h 30min, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), o Projeto de Manejo Integrado de Ecossistemas e de Bacias Hidrográficas na Caatinga, integrando as atividades do lançamento do no

  
  

O MMA - Ministério do Meio Ambiente apresentou na quarta-feira (4/2), às 10h 30min, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), o Projeto de Manejo Integrado de Ecossistemas e de Bacias Hidrográficas na Caatinga, integrando as atividades do lançamento do novo PNF - Programa Nacional de Florestas.

`O Projeto irá ajudar no combate à desertificação por meio do reflorestamento de pontos críticos do Semi-Árido, identificados a partir de estudos do Ministério do Meio Ambiente`, disse a ministra Marina Silva.O Projeto contará, em sua primeira fase, com US$ 26 milhões (cerca de R$ 75 milhões) para ações voltadas ao desenvolvimento sustentável, pesquisas e criação de linhas de crédito em 160 municípios do Semi-Árido brasileiro, no norte de Minas Gerais e em todo o Nordeste, com exceção do Maranhão.

Serão ações voltadas ao manejo equilibrado e integrado dos recursos naturais, à recuperação de áreas degradadas e ainda à criação de três corredores ecológicos e de uma unidade de conservação.

`A implementação dos corredores ecológicos terá uma `característica funcional`, não se tratará apenas de plantio para unir fragmentos de florestas. As populações dessas áreas receberão apoio e assistência técnica e serão estimuladas a práticas como recuperação de florestas e de áreas degradadas`, explica Aloysio da Costa Júnior, coordenador do Projeto, vinculado à Secretaria de Biodiversidade e Florestas do MMA.

O programa irá ampliar boas experiências já desenvolvidas no Semi-Árido, em estados como Rio Grande do Norte, Paraíba, Ceará e Pernambuco, voltadas ao manejo florestal, à criação de alternativas energéticas e à geração de emprego e renda.

De acordo com Costa Júnior, mais de 30% da matriz energética no Nordeste tem como matéria-prima a lenha, e a grande maioria da madeira vem de áreas sem planos de uso.Como uma das principais iniciativas do PNF na Região Nordeste, o programa terá duração de 10 anos.

A coordenação será do Ministério do Meio Ambiente e as ações terão parceria dos Conselhos Consultivos das Áreas Prioritárias e da ASA - Articulação do Semi-Árido. Do total de recursos do Projeto, US$ 4 milhões são oriundos do GEF (Fundo Global para o Meio Ambiente), US$ 10 milhões do MMA e outros US$ 12 milhões têm origem em contrapartidas institucionais.

As áreas protegidas ocupam apenas 2% do Semi-Árido, sendo que a maioria delas não está exatamente na Caatinga. As principais causas da deterioração do meio ambiente da região são a caça de subsistência e esportiva, o desmatamento para retirar lenha e queimadas provocadas ou acidentais.

O Nordeste tem 1,5 milhão de quilômetros quadrados de áreas sujeitas à desertificação, sendo que 10% são consideradas áreas de risco grave ou muito grave. Segundo o Censo de 1991, o Semi-Árido abriga cerca de 18 milhões de pessoas (10% da população brasileira) e tem os indicadores sociais mais alarmantes do país.

FNMA :

O Fundo Nacional do Meio Ambiente está com inscrições abertas, até o dia 26 de março, para projetos voltados à capacitação sobre a elaboração de projetos de extensão na Caatinga.

O Fundo e o Pronaf - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar estão disponibilizando R$ 4,6 milhões para financiar pequenos agricultores a implantar programas de manejo sustentável no Semi-Árido.

Parte dos recursos também será utilizada para formar agentes multiplicadores e fornecer assessoria técnica. A idéia é estimular o plantio de espécies florestais nativas e a recuperação de áreas degradadas. A previsão é que o financiamento resulte na plantação ou preservação de 3 mil hectares de florestas.

Mais informações pelo telefone (61) 317-1555 ou pela internet .

Fonte: AssCom MMA

  
  

Publicado por em