Regulamentação do novo modelo do setor elétrico preocupa empresários

A regulamentação da Lei aprovada pelo Congresso para o setor elétrico está preocupando os empresários que atuam na área. A ministra de Minas e Energia, Dilma Roussef, e sua equipe estão resistindo o quanto podem ao lobby dos empreendedores. A queda de

  
  

A regulamentação da Lei aprovada pelo Congresso para o setor elétrico está preocupando os empresários que atuam na área. A ministra de Minas e Energia, Dilma Roussef, e sua equipe estão resistindo o quanto podem ao lobby dos empreendedores.

A queda de braço está sendo travada por conta da definição do que é energia nova e velha que deverão ter preços diferenciados nos leilões promovidos pelo governo.

A energia nova terá um preço maior por ser proveniente de empreendimentos que ainda não foram amortizados completamente.

Os empresários alegam que ao adquirir as usinas injetaram recursos nessas empresas e portanto, esses investimentos devem ser considerados novos.Dilma e seus técnicos não concordam muito com esse argumento.

Caso essas usinas sejam classificadas como geradoras de energia velha, os investidores afirmam que terão sérios prejuízos e poderão até correr o risco de ver algumas dessas geradoras inviabilizadas.

Apesar de dura na queda, Dilma não está totalmente insensível a esses apelos. Nos últimos dois meses vem negociando quase que semanalmente com um grupo de representantes do setor para ver se acha uma solução para o problema, o que de certa forma explica a demora na regulamentação da Lei.

Os empresários já fizeram algumas propostas, mas até o momento ainda não se chegou a um entendimento definitivo. Entre as sugestões apresentadas num dos recentes encontros está a possibilidade de se criar uma tabela retroativa à data de aquisição das usinas de forma a enquadrar cada geradora conforme os recursos investidos pelos novos donos.

Ou seja, o empreendimento seria considerado parte energia nova e parte velha e participaria dos leilões de acordo com esse enquadramento.

Apesar da fórmula ser bem aceita pelo governo, ainda não houve entendimento quanto a data inicial da tabela e nem quanto à fórmula de composição do enquadramento de cada geradora. Dilma vem afirmando, no entanto, que com consenso ou sem consenso, a regulamentação será finalizada ainda este mês, para desespero dos empresários.

Fonte: Informe Comunicação

  
  

Publicado por em