Rodoanel, o trânsito e os mananciais da Grande São Paulo serão debatidos amanhã

É certo que o Rodoanel, depois de pronto, livrará São Paulo do transporte pesado que não se destina à cidade e das variadas cargas perigosas que transitam anonimamente pela área urbana e colocam em risco toda a população e o já degradado meio ambiente.

  
  

É certo que o Rodoanel, depois de pronto, livrará São Paulo do transporte pesado que não se destina à cidade e das variadas cargas perigosas que transitam anonimamente pela área urbana e colocam em risco toda a população e o já degradado meio ambiente.

Mas há implicações ambientais, urbanísticas e mesmo econômicas e até sociais que precisam ser avaliadas e, se possível, evitadas ou pelo menos minimizadas.

Na vertente ambiental, dentre outros problemas, o projeto original prevê que a obra passará dentro das represas Billings e Guarapiranga –responsáveis por boa parte do abastecimento da cidade.

Obra Demorada e Transtornos Duradouros

A maior parte da obra ainda não foi sequer iniciada. Por enquanto, apenas o trecho oeste, com 32 km, está concluído. Ao todo, o Rodoanel terá cerca de 170 km de extensão, com conclusão prevista para o ano de 2.020, a um custo estimado entre R$ 8 e R$ 10 bilhões.

Mesmo sendo uma solução futura para trânsito de São Paulo, as etapas e a velocidade da construção do Rodoanel poderão provocar gravíssimos problemas de tráfego, em função dos desvios e das alterações viárias temporárias que cada sub-trecho exigirá.

Esses gargalos, especialmente nos eixos das marginais, gerarão estragos ambientais e prejuízos financeiros ainda sequer estimados.

Por isso, especialistas discutem qual a melhor sequência para o restante da obra e preocupam-se com a velocidade dela, o que depende do fluxo de verbas disponíveis - no
momento longe de serem suficientes para uma evolução aceitável.

3º Debate Público Entre Estado e Especialistas

A primeira discussão sobre o assunto foi promovida pela Agência da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê, em 24 de agosto. Sem se chegar a um consenso sobre o assunto, houve um 2º encontro em 01/09/04.

Tendo em vista o grande interesse despertado, a quantidade de questões suscitadas pelos especialistas e ONGs presentes, e a disposição do Secretário Adjunto de Transportes de São Paulo, Paulo Tromboni em esclarecer o assunto até o seu esgotamento, a Agência da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê programou sessão de continuidade desse debate para a próxima terça-feira, dia 05/10/2004, às 15h00.

Desta vez, dois serão os focos do debate :

-Expansão Urbana : até que ponto o Rodoanel pode ser um indutor de urbanização, atraindo moradores para as áreas de mananciais e provocando mais crescimento desordenado.

-Tráfego : que transtornos a construção demorada e por etapas deverá causar à cidade e seu entorno e que soluções podem minimizá-los.

Complexidade Exige Clareza Nas Soluções

Segundo a Agência da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê, o Rodoanel é a maior intervenção urbana já realizada na América Latina e, sendo numa região metropolitana com 17 milhões de habitantes, trata-se da mais complexa intervenção já vista no mundo.

Para o dirigente Julio de Cerqueira Cesar Neto , essa complexidade exige muito cuidado com todos os aspectos : `dependendo de como conduzirmos isso, poderemos ter uma grande solução ou um macro-problema eterno`- afirma.

A Fundação Agência da Bacia do Alto Tietê, criada sob os proceitos das Leis 9.433 (Federal), 7.663 e 10.020 (Estaduais) e 13.120 (Municipal), é o órgão da sociedade responsável pelo planejamento e gerenciamento dos recursos hídricos da bacia do Alto Tietê que abrange também toda a área da Grande São Paulo.

SERVIÇO :

Debate público `Rodoanel, o trânsito e os mananciais da Grande São Paulo`

Data e hora : dia 05 de outubro, às 15h00

Onde : Sede da Fundação Agência da Bacia do Alto Tietê, à Rua Boa Vista 76, 3ºandar.

Fonte:AUSEPRESS

  
  

Publicado por em

Eduardo Carvakho

Eduardo Carvakho

06/04/2009 22:58:19
Eu espero que o Rodeanel funcione, pois no futuro, teremos uma grande evolução no transito de SP