Sumaré-SP integra ações sociais ao projeto ambiental

Em menos de três anos Sumaré ganhou 210 mil mudas de árvores distribuídas em vias públicas, em reservas da mata ciliar e nas margens das represas de abastecimento de água do município. O plantio superou a meta de 200 mil mudas prevista para o período de q

  
  

Em menos de três anos Sumaré ganhou 210 mil mudas de árvores distribuídas em vias públicas, em reservas da mata ciliar e nas margens das represas de abastecimento de água do município. O plantio superou a meta de 200 mil mudas prevista para o período de quatro anos.

O plano de arborização é uma das ações do projeto Terra Nossa é considerado um dos pilares da Agenda 21 Local, documento que estabelece um programa dirigido às questões prioritárias para o desenvolvimento sustentável local, envolvendo ações sociais e programas ambientais e foi apresentado durante o I Congresso de Meio Ambiente de Paulínia e RMC, entre os dias 21 e 25 de junho, em Paulínia.

O projeto Terra Nossa inclui uma série de atividades, como a limpeza e a manutenção da cidade, arborização e paisagismo de ruas, avenidas e praças, plantio de mudas nas escolas e a recuperação do ribeirão Quilombo, que corta o município.

De acordo com a coordenadora da Agenda 21 Local, Rita de Cássia Rosa Pinto, além de superar a meta de plantio de mudas foi recuperada a mata ciliar das três represas (Horto Florestal, Taquara Branca e Atibaia) onde é captada a água para o abastecimento do município.

Outro importante trabalho é a remoção das famílias que vivem nas margens dos rios, em áreas de risco. Com extensão de 27,65 quilômetros, o ribeirão Quilombo provoca inundações nos loteamentos Jardim Basilicata, Jardim São Domingos, Jardim Manchester e Vila Diva. Com a transferência dos moradores, as casas são demolidas e a área de mata ciliar recuperada.

“São ações sócio-ambientais que beneficiam a
população como um todo”, explica Rita de Cássia Rosa Pinto. Cerca de 200 famílias já receberam lotes urbanizados no Jardim das Orquídeas.

O trabalho de educação ambiental realizado em todas as escolas municipais e em parte das unidades da rede estadual é uma das principais ferramentas do município para conscientização das comunidades.

Em sete anos, cerca de 25 mil alunos passaram pelo programa. A coordenadora da Agenda 21 Local afirma que esse trabalho já deu resultado.

“A cidade está mais conservada, as mudas plantadas não são mais danificadas e, até mesmo para podar uma árvore, os moradores se mostram mais conscientes e acionam a Prefeitura”, destaca Rita de Cássia.

A Agenda 21 de Sumaré contempla vários tópicos que vão desde a elaboração de um novo Plano Diretor, onde são articuladas as questões ambientais e urbanas para a construção de uma cidade sustentável até a reestruturação da Legislação Ambiental Municipal.

Também faz parte do documento a preservação dos mananciais da cidade por meio de trabalhos de recuperação das microbacias e da ação consorciada para preservação de bacias hidrográficas da região metropolitana.

Fonte: Ateliê da Notícia

  
  

Publicado por em

Jl.partelli@bol.com.br

Jl.partelli@bol.com.br

05/05/2010 23:00:57
Eu acho que na teoria é perfeita, indica um Norte, só que a prática indica o Sul. Atento as considerações do Departamento do município, informo que temos instalado um lixo de ferro velho de indústrias a margem do rio Quilombo, isto significa que o trabalho de plantar árvore nao substitui a agressividade que o ferro velho traz de impacto ao rio que ja é chamado pelos moradores do bairro jardim Manchester de PODRÃO. Favor verificar a lei que informa a distância e o afastamento deste depósito do leito do rio Quilombo.

Grato.. João Luiz atividade