Aditivo que acelera decomposição do plástico já tem a adesão de 160 fabricantes brasileiros

O plástico d2w biodegradável leva, em condições normais, até 18 meses para se degradar, estima-se que o plástico comum dure até 200 anos.

  
  

O descarte irregular de embalagens transformou o plástico em sério problema para o meio ambiente nos últimos anos, o que levou dezenas de empresas do setor a buscar soluções alternativas. Assim, de "vilão" ele passou a "mocinho", com o auxílio de novas tecnologias, entre elas um aditivo químico chamado d2w, que tem a função de acelerar a degradação do plástico sem causar qualquer impacto no ecossistema.

O plástico d2w biodegradável leva, em condições normais, até 18 meses para se degradar, estima-se que o plástico comum dure até 200 anos.

O d2w é um conjunto de elementos químicos, abundantes no meio ambiente, que fragilizam as moléculas do plástico. Ele representa apenas 1% do total de materiais utilizados na produção. No Brasil, a única empresa a importar e comercializar o d2w é a Res Brasil, de Valinhos (SP). O aditivo mantém as mesmas características das sacolas, por exemplo, como brilho, resistência e leveza.

"A grande diferença é a drástica redução do tempo de permanência do plástico no ecossistema. Outro ponto fundamental é que os plásticos d2w biodegradáveis não causam qualquer impacto na natureza", explica o presidente da Res Brasil, Eduardo Van Roost.

Para comprovar a eficácia dessa tecnologia, a Res Brasil encomendou uma série de estudos e testes, que foram realizados por instituições ambientais, universidades e organizações nacionais e internacionais, entre elas a Ecosigma e a UNESP (Universidade do Estado de São Paulo). Entre os estudos estão o de compostabilidade (se os compostos são degradados naturalmente por microorganismos) e ecotoxidade (teste feito com plantas, microorganismos e minhocas). Em todos os testes, o d2w foi aprovado.

O Brasil está entre os 60 países que usam essa tecnologia. Só a representante nacional já conta com mais de 160 fabricantes licenciados do setor plástico que adotam o produto em suas embalagens. O principal setor a utilizar o "plástico amigo" é o do varejo, que corresponde a 90% das vendas. Entre algumas empresas responsáveis estão as redes de lojas Renner, C&A e Zara. A seguradora de veículos do Banco do Brasil também aderiu, recentemente, passando a exigir o aditivo em suas carteiras para guarda de documentação.

Saiba mais:

O plástico, desenvolvido nos anos 30, vem das resinas derivadas do petróleo e pertence ao grupo dos polímeros (moléculas muito grandes, com características especiais e variadas). A palavra plástico tem origem grega e significa aquilo que pode ser moldado. O d2w nada mais é que o acréscimo de elementos presentes na natureza e alimentos, tais como o Ferro e o Manganês. As embalagens são degradadas com o auxílio do Oxigênio e, por isso, levam o nome de oxi-biodegradáveis. Podem ser recicladas, reusadas e usadas na compostagem.

Res Brasil:

Criada em 2003, a empresa é pioneira no país e a maior na América Latina em seu segmento. A Res Brasil trabalha para proporcionar a opção, tanto para indústrias, clientes finais e cidadãos, da escolha por embalagens plásticas de degradação mais rápida e segura. Por meio das empresas RES Argentina, Uruguai, Peru, Chile e Estados Unidos, e em parceira com a Rede Symphony Internacional (fornecedora do d2w), as tecnologias, materiais e produtos finais com característica de total degradação estão disponíveis em todo o mundo.

Fonte : Ex-Libris Comunicação

  
  

Publicado por em

Julio camarco de mello

Julio camarco de mello

08/10/2008 20:07:28
legal
não sabia nem metade dessas coisas