Unicamp assina um convênio com o Instituto Sangari

A cada dia, os especialistas reconhecem que o conhecimento científico é um direito de todos. A tarefa de disseminar a cultura científica é encarada por diversos acadêmicos e pesquisadores envolvidos na implantação do Museu Exploratório de Ciências da Unic

  
  

A cada dia, os especialistas reconhecem que o conhecimento científico é um direito de todos. A tarefa de disseminar a cultura científica é encarada por diversos acadêmicos e pesquisadores envolvidos na implantação do Museu Exploratório de Ciências da Unicamp.

Na próxima sexta-feira (24), na sala do Conselho Universitário, às 17 horas, a Universidade assina um convênio com o Instituto Sangari para o desenvolvimento dos dois primeiros projetos elaborados pelo Museu.

Uma nanoaventura permitirá a estudantes de ensino fundamental e médio aprender conceitos da tão falada nanotecnologia – um dos mais recentes desafios de grandes cientistas. Uma mistura de elementos de linguagem de diversas mídias, como cinema, animação, jogos e teatro, o projeto “Circo das Ciências” exigirá a colaboração dos jovens participantes.

De acordo com o professor Marcelo Knobel, membro da Comissão Executiva do museu, é um projeto móvel, capaz de chegar às diversas comunidades. O final da aventura depende da solução de problemas que envolvem conhecimentos científicos.

`Desafio” é o segundo projeto a receber apoio do Instituto Sangari. Aa atividades são conduzidas por um desafio tecnológico, no qual a equipe terá de trabalhar para encontrar soluções para um problema real de caráter científico e tecnológico. O jogo envolverá apenas um tema, segundo Knobel.

Professor do Instituto de Física e coordenados do Núcleo de Desenvolvimento e Criatividade da Unicamp. Knobel destaca que o Instituto Sangari é o primeiro grupo a apostar na idéia, alocando recursos. O convênio propõe a contratação de dois gerentes por três anos para o projeto. E o grupo oferece toda a infra-estrutura que dispõe, relacionada a compras, advogados, marketing, entre outros.

Parceiros para trabalhar na organização dos projetos. A porta que fazem no trabalho. “São os primeiros parceiros do museu.”

A equipe acredita em projetos permanentes, que não precisem de uma sede física. Segundo Knobel, o que levou à criação do museu foi a idéia de que para fazer um grande museu tem de ter um grande projeto.

“Há pouquíssimos museus de ciência. Mas existe um movimento forte aumentando gradativamente.” A proposta é despertar o interesse da população e estimular o pensamento crítico e a criatividade das pessoas. Para Knobel, é indiscutível a necessidade de ter um bom museu de ciências.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Unicamp

  
  

Publicado por em