Vigilância ambiental cuidará da qualidade do ar no País

A Secretaria Nacional de Vigilância em Saúde, ligada ao Ministério da Saúde, está implementando um programa que visa envolver toda sociedade brasileira para melhorar a qualidade do ar. A iniciativa vai começar nos grandes centros, onde há problemas mais s

  
  

A Secretaria Nacional de Vigilância em Saúde, ligada ao Ministério da Saúde, está implementando um programa que visa envolver toda sociedade brasileira para melhorar a qualidade do ar. A iniciativa vai começar nos grandes centros, onde há problemas mais sérios de qualidade do ar.

Conforme o coordenador geral de Vigilância Ambiental em Saúde, Cícero Dedice de Góes Jr, a idéia é mobilizar as autoridades locais, municipais e estaduais para os problemas de saúde pública provocados pela má qualidade do ar. Góes Jr foi um dos participantes do III Congresso Interamericano de Qualidade do Ar, realizado de 23 a 25/07 na Ulbra, em Canoas (RS).

Góes explica que o novo programa, com apenas dois anos, “é uma conseqüência da Agenda 21”, é coordenado pelo Ministério da Saúde, mas com a participação de um grupo interdisciplinar de profissionais de diversas outras pastas, como Ministério do Meio Ambiente, órgãos estaduais, municipais e universidades.

O Governo Federal assessora e até financia, mas os estados e municípios são que executam. Um comitê técnico assessor foi formado para auxiliar as atividades.

Ele conta que entre as formas de estruturar o programa, está a sensibilização dos gestores locais, como prefeitos, secretários e lideranças comunitárias, para que ajudem na mobilização da população. Outro aspecto importante é a organização dos dados relacionando saúde e meio ambiente.

Hoje não existe um controle, nem nos Centros de Informações Toxicológicas, que conecte poluição atmosférica com doenças respiratórias e ainda dê informações para o público de como proceder diante de uma intoxicação.

Góes esclarece que os hospitais e centros de saúde terão que fazer um levantamento, através de uma ficha, apontando os casos de mortalidade e morbidade.

“A melhor forma de combate é a prevenção”, adverte. O programa-piloto começará em áreas onde potencialmente há problemas devido a maior concentração de poluentes. São elas: Araucária, no Paraná, Grande São Paulo, Volta Redonda, no Rio de Janeiro, Vitória, no Espírito Santo e Camaçari, na Bahia.

No Rio Grande do Sul ainda não está definido se o programa vai atingir Candiota ou Porto Alegre. O consultor da Organização Panamericana de Saúde, o médico epidemiologista José Escamilla, acredita que o modelo proposto para combater a complexidade do problema é muito original.

“Não conheço outro igual”, acrescenta, dizendo que no Chile e no México, países que sofrem muito com a poluição atmosférica, não tem um sistema descentralizado como este do Brasil. “Nosso modelo segue a lógica do Sistema Único de Saúde”, aponta Góes.

Fonte: EcoAgência de Notícias

  
  

Publicado por em