WWF-Brasil repudiou a abertura da Estrada do Colono-PR e pediu providências

Foi com surpresa e indignação que a organização ambientalista WWF-Brasil foi informada a respeito da invasão do Parque Nacional do Iguaçu (PR) por um grupo de cerca de 300 pessoas no último dia 4 de outubro. Preocupam o WWF-Brasil não só a invasão e a

  
  

Foi com surpresa e indignação que a organização ambientalista WWF-Brasil foi informada a respeito da invasão do Parque Nacional do Iguaçu (PR) por um grupo de cerca de 300 pessoas no último dia 4 de outubro.

Preocupam o WWF-Brasil não só a invasão e a destruição do posto local do Ibama - Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis, mas principalmente a abertura da Estrada do Colono, uma via de 18 quilômetros que cruzava a unidade de conservação e que estava fechada desde 2001 por ser considerada uma ameaça à integridade do Parque. Por esta razão, a entidade vai enviar carta de repúdio e pedido de esclarecimento à Presidência da República e à Casa Civil.

Assim como toda a comunidade ambientalista, o WWF-Brasil solicita das autoridades uma providência em relação a este impasse, que ameaça a integridade de uma área-chave para a conservação ambiental da Mata Atlântica do Brasil. A entidade considera essencial uma ação imediata oficial para reverter a situação e garantir um fechamento definitivo da estrada.

A solicitação está embasada não só em aspectos biológicos inquestionáveis, mas nos legais, já que o SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação proíbe a presença de rodovias em parques e reservas.

No passado, a Estrada do Colono foi fechada algumas vezes por ser considerada uma ameaça à biodiversidade local do Parque, que é uma das mais importantes áreas de proteção integral do país e foi declarada Sítio do Patrimônio Mundial Natural pela Unesco.

O Iguaçu resguarda um dos maiores remanescentes protegidos da Floresta Atlântica brasileira e é um dos poucos locais ecologicamente viáveis para a conservação de inúmeras espécies de fauna e flora ameaçadas de extinção. Sua relevância biológica e cênica, no entanto, não conteve a ação de invasores apoiados pelo Partido dos Trabalhadores (PT) do Paraná.

De acordo com a equipe que trabalha no Parque, os invasores romperam as cercas e destruíram a base de pesquisa e monitoramento do Ibama sem que fosse possível qualquer resistência ou diálogo.

O WWF-Brasil atua na Mata Atlântica desde 1971, quando iniciou seu apoio ao projeto de conservação do mico-leão-dourado. No momento, a entidade planeja, em parceria com o Ibama, ações de capacitação e implementação do ecoturismo como fonte de renda alternativa às comunidades do entorno do Parque Nacional do Iguaçu.

O WWF-Brasil é uma organização da sociedade civil autônoma e sem fins lucrativos dedicada à conservação da natureza, reconhecida pelo governo como instituição de utilidade pública.

Fonte: WWF-Brasil

  
  

Publicado por em