Brasileiros participam de última seletiva para os jogos olímpicos

Neste domingo, os triatletas brasileiros têm a última chance de garantir vaga para osJogos Olímpicos de Atenas, em agosto. Funchal, na Ilha da Madeira (Portugal), será sede do Mundial deTriatlo, válido como seletiva final para a Olimpíada. O Brasil já tem

  
  

Neste domingo, os triatletas brasileiros têm a última chance de garantir vaga para osJogos Olímpicos de Atenas, em agosto. Funchal, na Ilha da Madeira (Portugal), será sede do Mundial deTriatlo, válido como seletiva final para a Olimpíada. O Brasil já tem cinco vagas garantidas, três no feminino e duas no masculino, e luta para poder ter mais uma no masculino.

A prova, que terá 1,5 km de natação, 35,5 km de ciclismo e 10 km de corrida, será na Avenida do Mar e começa às 13h30 (9h30 em Brasília), com a elite feminina, enquanto a masculina larga às 16h15 (12h15).

Carla Moreno, Mariana Ohata e Sandra Soldan já garantiram a vaga, pois estão entre os 50 melhores do mundo, no ranking da ITU (União Internacional de Triathlon). No masculino, Leandro Macedo (Pão de Açúcar) e Juraci Moreira (Pão de Açúcar/Brasil Telecom) estão na frente e têm tudo para se classificar,enquanto Paulo Miyasiro (Pão de Açúcar/Unimonte) e Virgílio de Castilho (Pão de Açúcar/Brasil Telecom)ainda continuam na briga pela última vaga brasileira e ocupam, respectivamente, o 57º e o 75º lugares no ranking mundial. Os dois também participaram da etapa do México e conseguiram subir na colocação da ITU.

Oitava colocada no ranking mundial e primeira no brasileiro, Carla Moreno (Pão de Açúcar/ Nike), depois de vencer a etapa de Mazatlán, no México, tem como objetivo vencer mais esta etapa do Mundial.

“Sempre vou para as provas confiante, nunca penso que não vou vencer, mas não posso dizer que chegarei em primeiro, pois vou competir com as melhores do mundo. Tenho de fazer o máximo para aparecer para o mundo e, também, dar retorno para meus patrocinadores”, diz Carla, que ainda não sabe quais serão suas adversárias estrangeiras nesta prova.

A triatleta considera o Mundial mais forte do que a Olimpíada e pretende participar de outras etapas antes de embarcar para Atenas.

“No Mundial, cada país pode levar seis atletas, já para os Jogos Olímpicos só podem ir três. Além disso, todos querem ser o melhor do mundo e a competição é muito mais forte”,explica. “Antes de seguir para os Jogos vou estar em várias provas, procurando manter o ritmo de competição”, finaliza.

Sandra Soldan (Pão de Açúcar/Brasil Telecom/ Reebok/ PowerBar) está em 12º lugar no ranking, ocupando a terceira posição entre as brasileiras. Sua meta é obter um bom resultado para poder levar seu técnico.

`Uma vez classificada, levar o meu técnico vem sendo o meu maior objetivo entre todas as provas deste ano. Com o Neném em Atenas minha autoconfiança aumenta. Além disso, ele é um ótimo técnico e está entrosado com toda a equipe brasileira`, afirma Sandra, que está na Ilha da Madeira com outros triatletas
brasileiros, num centro de treinamento de triatlo.

`Funchal é tranqüilo, arborizado, com trânsito bom e calmo, onde os motoristas respeitam os ciclistas. O único problema é o frio que faz à noite, sempre menos de 10 graus`, lembra Sandra.

Mariana Ohata (Pão de Açúcar/Brasil Telecom), segunda colocada no ranking brasileiro e 11ª no mundial,também estará na Ilha da Madeira. Para Marcos Paulo Reis, coordenador do Pão de Açúcar Club, esta competição é muito boa para a triatleta.

“É uma prova muito difícil, com muitas subidas, o que exige muita resistência, uma das principais características da Mariana. É um percurso muito parecido com o que vai encontrar em Atenas. Será mais uma etapa do mundial para o currículo e a chance de melhorar no ranking”, diz.

Juraci Moreira esteve treinando na Itália após a etapa do México. “Meu técnico Homero Cachel me encontrou em Treviso na última sexta-feira vindo do Brasil e com issopude realizar alguns treinos fortes com maior incentivo. Consegui manter a concentração depois de Mazatlán, bem como o pique de treinos para chegar em Portugal com boas chances de brigar por um bom resultado para o Brasil”, declara.

Apesar da vaga estar praticamente garantida, ele quer ser o melhor brasileiro no ranking. “Quero tentar chegar entre os 10 primeiros no mundial e subir boas posições no ranking mundial. Ainda não desisti da idéia de ser o primeiro brasileiro no ranking mundial, ultrapassando Leandro Macedo e com isso tendo o direito de levar meu treinador como técnico oficial na Olimpíada, o que seria um grande presente que gostaria de oferecer a ele que trabalha comigo desde o início da minha correria, que completou semana passada 10 anos de triathlon”, conta.

Após a realização da prova de domingo e os cálculos do novo ranqueamento, serão conhecidos,provavelmente na segunda-feira, os nomes dos atletas que irão disputar a Olimpíada de Atenas.

O brasileiro mais bem colocado no ranking mundial terá sua vaga garantida, enquanto as outras vagas (uma ou duas, dependendo da classificação dos atletas no ranking mundial) serão preenchidas pelos atletas que obtiverem os melhores resultados nas seletivas, descartando o pior desempenho.

De acordo com as regras da International Triathlon Union, quanto mais atletas bem colocados no ranking mundial, mais vagas um país terá em Atenas, sendo no máximo três femininas e três masculinas.Hoje, no
feminino, o Brasil tem as três vagas asseguradas, para Sandra Soldan, Mariana Ohata e Carla Moreno. Já no masculino, o Brasil tem garantidas até agora apenas duas vagas, mas ainda pode conseguir a terceira.

Fonte:ZDL de Comunicação

  
  

Publicado por em