Caravana Brasil percorre Pernambuco para promover o produto turístico mergulho

Operadores de turismo que trabalham com mercado internacional conheceram infra-estrutura de mergulho do Arquipélago de Fernando de Noronha,Recife e Porto de Galinhas em viagem que terminou segunda-feira. Dentro da `Caravana Brasil`, projeto da Embratu

  
  

Operadores de turismo que trabalham com mercado internacional conheceram infra-estrutura de mergulho do Arquipélago de Fernando de Noronha,Recife e Porto de Galinhas em viagem que terminou segunda-feira.

Dentro da `Caravana Brasil`, projeto da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) que leva operadores de turismo brasileiros e estrangeiros para conhecer in loco a infra-estrutura turística de destinos brasileiros, 14 operadores nacionais de receptivo internacional visitaram Fernando de Noronha, Recife e Porto de Galinhas (PE) entre a última quarta-feira, dia 08, e segunda-feira, dia 13.

Também participaram profissionais da Embratur, do Ministério do Turismo e jornalistas. A expedição, que
manteve o foco no produto turístico Mergulho, é parte da estratégia de diversificar a oferta do destino Brasil no mercado internacional de forma segmentada, para aumentar o número de turistas estrangeiros no país. A expedição contou com os apoios da Secretaria de Turismo da Prefeitura do Recife e da Empetur(Empresa de Turismo de Pernambuco).

Pernambuco é um dos principais focos de turismo de Mergulho no Brasil, oferecendo grande diversidade marinha, boas visibilidade e temperatura da água.

Nos três destinos, os profissionais participaram de uma rodada de negócios com operadores de mergulho locais. Puderam conhecer os pacotes oferecidos e a estrutura para receber o visitante internacional.

`Ainda não temos um fluxo específico. O turista vem para Recife, fica sabendo da possibilidade do mergulho e resolve experimentar`, conta Fernando Kaltenbach, presidente da operadora local Seagate e da Associação das Empresas de Mergulho de Pernambuco.

`Por isso, é muito importante essa ligação de quem vende para o estrangeiro com o elo final, que é o profissional local`, completa.Perto de um grande centro urbano, o turista encontra na costa recifense 23 naufrágios mergulháveis – alguns de 300 anos atrás.

Para o sócio-proprietário da empresa de receptivo em Fernando de Noronha Atalaia Turismo, Hayrton Menezes de Almeida, a `Caravana Brasil` possibilita aos operadores conhecerem bem o destino para vender melhor:

`O importante é divulgar o produto e fazer com que o turista chegue aqui, beneficiando a todos da ilha`. Um dos 16 pontos para mergulho do Arquipélago de Fernando de
Noronha, os operadores se aventuraram pela Ilha da Rata, onde puderam conferir – em águas cristalinas – a diversidade da vida marinha: peixes multicoloridos, moréias, raias, golfinhos, tartarugas etc.

`Estamos a 4º da linha do Equador, o que nos dá uma ótima visibilidade dentro d’água`, explica Cesário Costa, da operadora Noronha Divers. Em Noronha, o mergulhador tem luz solar até 100 metros de profundidade.

Em Porto de Galinhas, os profissionais conheceram as possibilidades de mergulho da região, além de fazerem passeios de jangada e de visitarem cerca de 10 hotéis e
pousadas do balneário. No roteiro da Caravana também foi incluída uma visita a Olinda.

`A idéia é vender o produto Mergulho associado a aspectos culturais, gastronômicos e às praias em si`, explica Airton Pereira, diretor de Turismo de Lazer e Incentivo da
Embratur.

Estratégia :

Neste momento os operadores identificaram a possibilidade de agregar valor aos pacotes oferecidos para o turista estrangeiro com o produto Mergulho.

`É bom vender Noronha conjugado com outros destinos, como Recife, Foz do Iguaçu ou Manaus`, avaliou Ségio Otero, da Walpax. `Podemos fazer vendas casadas de destinos. Leva um tempo para um lugar se firmar como
destino específico do produto Mergulho. É como uma semente que se planta`, concorda Vera Nabuco, da GB Internacional.

Já para Richard Lengsfeld, da BIT, o turismo está ficando cada vez mais especializado e, nesse contexto, o Brasil agrega valor com `suas belezas, a hospitalidade de seu povo, a gastronomia e a cultura`.

Juntos os operadores representam os mercados europeu, norte-americano, canadense, israelense, sul-africano e japonês.

Números animadores :

O turismo internacional vem crescendo no estado.Recife é hoje a quinta cidade mais visitada por turistas estrangeiros, como revela o estudo da Embratur `Demanda Turística Internacional 2003`. A capital pernambucana, com 7,5%, fica atrás apenas do Rio de Janeiro (RJ), com 36,9%, São Paulo (SP), com 18,5%, e Fortaleza (CE), com 8,5%.

Em Fernando de Noronha, o fluxo de estrangeiros alcançou 18% em 2003, quando a ilha recebeu 51.463 visitantes, de acordo com dados da Administração. Em 2002, os estrangeiros representavam 5% no Arquipélago. E em Porto de Galinhas, esse percentual já chega a 20% do fluxo de turistas.

`Apenas em agosto deste ano, mandamos cerca de 2 mil italianos para Noronha. Eles ficavam dois dias na ilha e dois em Recife`, conta Michaelle Cordeiro Martins, da operadora Best Team, que acompanhou esta Caravana.

O projeto :

Conhecer bem para vender mais e diversificar a oferta turística do país no exterior. É esse o conceito da `Caravana Brasil`, uma das estratégias para trazer, no ano de 2007, 9 milhões de turistas estrangeiros ao país e garantir o ingresso de US$ 8 bilhões em divisas, algumas das metas fixadas no Plano Nacional de Turismo.

Em 2003, na primeira fase da Caravana, quase cem operadores puderam conhecer quinze destinos e onze produtos turísticos brasileiros. Neste ano,onze estados foram visitados por 118 operadores, entre nacionais e estrangeiros, nas nove viagens realizadas até agora. A meta é alcançar cerca de 300 profissionais em 21 caravanas em 2004.

Os onze produtos já identificados para comercialização no exterior são: Golfe, Negócios & Eventos, Cidades Patrimônio, Festas & Eventos, Pesca Esportiva, Mergulho, Aventura, Incentivo, Sol & Mar, Ecoturismo e Resorts. As parcerias da `Caravana Brasil` 2004 são Varig, Resorts Brasil, Bureau de Golfe, Infraero (Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária), Braztoa(Associação Brasileira das Operadoras de Turismo), Bito (Operadoras Brasileiras de Receptivo Internacional), Conventions Bureaux e os governos dos estados e municípios.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Embratur

  
  

Publicado por em