Brasil domina o Rafting Mundial

As equipes brasileiras garantiram o título nas três categorias disputadas: Open Masculino, Open Feminino e Máster Masculino.

  
  
Na contagem dos pontos após o término das provas de Sprint, Head to Head, Slalom e Descida o Brasil mostrou mais uma vez superioridade mundial / Divulgação

Terminou no domingo (19/10) em Foz do Iguaçu, no Paraná, o Campeonato Mundial de Rafing R4 2014, evento que reuniu por duas semanas os melhores canoístas de 19 países no Brasil.

Depois de mostrar força nas categorias iniciantes, na semana passada, os brasileiros mostraram porque são as equipes mais temidas do mundo e garantiram o título nas três categorias disputadas: Open Masculino, Open Feminino e Máster Masculino.

Segundo Rebecca Fernandes, atleta e supervisora do Comitê de Rafting da Confederação Brasileira de Canoagem, a vitória deve-se principalmente a dedicação e a paixão pelo Rafting fazendo a modalidade se desenvolver positivamente no Brasil.

“Além de ganharmos em casa eu acho um momento extremamente oportuno porque isso dá mais força ao nosso esporte. Gostaria de agradecer a presença de todos que fizeram o campeonato acontecer”, disse.

Durante a manhã foram realizadas, no Parque Nacional do Iguaçu, as provas de Descida e à tarde, no Canal Itaipu, localizado nas dependências da Itaipu Binacional, a conclusão das provas de Slalom, transferida de ontem para hoje em função do baixo volume de água no Canal Itaipu, causado pela estiagem que há meses atinge várias regiões do Brasil.

Na contagem dos pontos após o término das provas de Sprint, Head to Head, Slalom e Descida o Brasil mostrou mais uma vez superioridade mundial.

No Masculino Open o Brasil garantiu o título de campeão mundial totalizando 888 pontos, seguido pela República Tcheca com 834 e Rússia com 830.

No Máster Masculino mais uma vez os brasileiros venceram com 952 pontos, seguidos pelos tchecos com 928 e russos com 790. No Feminino Open deu Brasil em primeiro com 904 pontos, seguido pelo Japão com 871 e Eslováquia com 847.

Prova de Descida nas Cataratas do Iguaçu:

No período da manhã a prova de Descida foi disputada num trecho do Rio Iguaçu próximos às cataratas proporcionando um cenário inesquecível aos competidores e quem se deu bem foram as equipes da Eslováquia, Rússia e Brasil.

No Open Feminino as eslovacas completaram o percurso com o tempo de 20:52.08, à frente das japonesas com 21:01.44 e das brasileiras com 21:43.69.

No Open Masculino disputa acirrada, categoria em que o ouro foi conquistado pelo time da Rússia com 19:40.21, a prata pelo Brasil com 19:47.72 e o bronze pelo Japão com 20:08.34.

No Máster Masculino vitória do Brasil com o tempo de 21:10.17, seguidos pela República Tcheca com 21:29.00 e pela Rússia com 22:21.89.

Mesmo antes mesmo do sol nascer os atletas já se aqueciam para a prova, prontos para entrarem em ação. No cenário tudo valia para enfrentar a adrenalina. Acomodados no píer, preparados para a largada, muitos admiravam a paisagem.

Segundo o canoísta Antônio Salvati da equipe Open do Brasil o cenário das Cataratas do Iguaçu valeu muito a pena.

“Mesmo acordar mais cedo (horário de verão) valeu muito a pena por ter a oportunidade de competir nesse local”, disse.

"O lugar é muito bonito. Eu nunca tinha visto tamanha beleza," disse Johnatan Uyarte, da categoria Open da Argentina. Já Kailie Marland, atleta do time canadense Open Feminino, declarou: "As cataratas são lindas, não há liga melhor. As ondas são bem grandes e encará-las foi um desafio a mais. Acredito que nós nos saímos bem".

Conclusão das provas de Slalom:

Durante a tarde as delegações de todos os países voltaram ao Canal Itaipu para a conclusão das provas de Slalom. No Open Masculino vitória da República Tcheca com a melhor descida com o tempo de 2:33.87, seguida pelo Brasil com 2:35.71 e pela Costa Rica com 2:40.55.

No Open Feminino foi a vez do Brasil garantir o ouro com o tempo de 3:04.87, à frente do Japão com 3:05.17 e República Tcheca com 3:11.18. Já no Máster Masculino mais uma vitória dos tchecos com a marca de 2:48.94, com grande vantagem sobre os brasileiros com 3:02.06 e os russos com 4:23.67.

Para o presidente da Confederação Brasileira de Canoagem, João Tomasini Schwertner, o sucesso de mais um evento de grande porte realizado no Brasil e as conquistas brasileiras se devem ao apoio do BNDES, Ministério do Esporte e Itaipu Binacional.

“Mais uma vez tivemos um grande evento no país graças aos nossos grandes parceiros que acreditam no desenvolvimento da Canoagem Brasileira. Também gostaria de dar meus parabéns à raça das equipes brasileiras que mostraram a força do país no cenário mundial, à todas as equipes estrangeiras que vieram para o Brasil, à equipe organizadora e aos voluntários que vieram participar deste grande evento”, comemorou.

Visite: www.revistaecotour.com.br

Fonte: Confederação Brasileira de Canoagem

  
  

Publicado por em